Tempo
|
A+ / A-

“Mais de 170 mil pessoas passam fome em Mariupol”, alerta arcebispo-mor de Kiev

16 mai, 2022 - 12:14 • Olímpia Mairos

D. Sviatoslav Shevchuk acompanha também com preocupação o que está a acontecer nas regiões de Luhansk, Donetsk e Kherson e em Zaporíjia, onde “estão em curso intensos e sangrentos combates”.

A+ / A-

Veja também:


O arcebispo-mor de Kiev, líder da Igreja Greco-Católica Ucraniana, disse na sua última mensagem de vídeo, que “mais de 170.000 pessoas passam fome na heroica cidade de Mariupol”.

“A cidade está completamente sitiada e todas as pessoas de bem farão um forte apelo ao mundo inteiro com um pedido para salvar aquelas pessoas que impedem o invasor de realizar os seus planos. Ali mesmo, em Mariupol, forja-se hoje a vitória da Ucrânia”, acrescenta.

O arcebispo dirige-se a “todos aqueles que têm o poder de salvar o povo desta cidade de Maria” para que façam o que puderem.

“Da nossa parte, rezamos e fazemos todo o possível para salvar aqueles que hoje correm o risco de morrer de fome e em cujas cabeças são lançadas toneladas de bombas russas”, diz na mensagem vídeo citada pela agência SIR.

O chefe da Igreja Greco-Católica Ucraniana, D. Sviatoslav Shevchuk, refere ainda que está a acompanhar com preocupação o que está a acontecer nas regiões de Luhansk, Donetsk e Kherson e em Zaporíjia, onde “estão em curso intensos e sangrentos combates. O inimigo tenta avançar e o exército ucraniano defende heroicamente a terra ucraniana”.

“No contexto desta guerra, a Ucrânia é hoje o território mais contaminado por substâncias explosivas. Mesmo nos territórios libertados do leste, dezenas de milhares de hectares de terras ucranianas aguardam a desminagem. É um trabalho que exige muitos anos de esforço”, afirma o arcebispo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+