Tempo
|
A+ / A-

Alentejo

Quarenta anos depois, Vila Viçosa celebra o Papa de Maria e do "Totus Tuus"

13 mai, 2022 - 14:34 • Rosário Silva

São João Paulo II visitou Vila Viçosa a 14 de maio de 1982, num tempo de conflitos sociais e políticos. Faz agora 40 anos.

A+ / A-

Vila Viçosa celebra este sábado, 14 de maio, 40 anos da visita pastoral de São João Paulo II ao Santuário Nacional da Padroeira de Portugal.

Aconteceu a 14 de maio de 1982. Karol Wojtyla pisou o Alentejo do pós 25 de Abril, com um ambiente ainda muito marcado pela chamada Reforma Agrária e onde se respirava o espirito revolucionário, com um partido a deter o domínio absoluto.

A Igreja vivia, então, circunstâncias muito específicas, com comunidades reduzidas, uma participação dos cristãos na vida eclesial muito diminuta e em que a força dominante era, sobretudo, ideológica e partidária.

Foi também por essa altura que a arquidiocese de Évora recebeu o seu novo arcebispo, D. Maurílio de Gouveia (falecido a 19 de março de 2019). Um prelado que imprimiu ao seu ministério um caracter de proximidade às pessoas, numa postura até então pouco comum na Igreja portuguesa.

Momento alto do seu ministério, foi a visita, pouco tempo depois de ter entrado na diocese, em 1982, do Papa João Paulo II ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa.

Entre 12 e 15 de maio de 1982, o Papa visitou Portugal, para agradecer, em Fátima, “a proteção maternal de Nossa Senhora” que lhe “conservou a vida”, no atentado do ano anterior, em Roma, na Praça de S. Pedro.

Nesta mesma visita, viria a sofrer nova tentativa de atentado, mas, de novo, escapou ileso, podendo prosseguir a visita pastoral que o levou também a Coimbra, Porto e, claro, Vila Viçosa.

De D. Maurílio de Gouveia recebeu um alerta para os problemas sociais e para a realidade agrária que orientava a região alentejana. Por isso, na homilia que proferiu no decorrer da eucaristia que celebrou, João Paulo II dirigiu-se aos agricultores, para lembrar o que está escrito na Encíclica “Laborem Exercens”.

“A reforma agrária não pode ser questão instrumentalizada para a obtenção de dividendos partidários, porque toca a vida dos homens da agricultura em tal dimensão e profundidade que é criminoso fazer dela instrumento partidário”, destacou.

“Não basta proclamar direitos”, mas é urgente “criar as condições económicas, sociais e culturais, para que a satisfação desses direitos seja possível, e assim os camponeses, muito em particular os jovens, se sintam verdadeiramente estimulados a fixarem-se à terra e ao trabalho agrícola”, defendeu o Papa.

Aos empresários pediu honestidade no trabalho, defendendo “o direito do justo salário de quantos contribuem para a produção, sem perder de vista a função social da propriedade”.

Celebrar o Papa de Maria, e do “Totus Tuus” em tempo de guerra

Quarenta anos depois, muitas transformações concretizadas, as palavras perdem-se no tempo, mas não saem da memória de quem viveu este acontecimento.

Por isso mesmo, este sábado, 14 de maio, a Régia Confraria de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa assinalará a efeméride: o quadragésimo aniversário da visita pastoral de Sua Santidade, São João Paulo II, ao santuário da Padroeira de Portugal.

“Trata-se de uma das datas mais relevantes para a história da Régia Confraria, muito em particular, mas também para Vila Viçosa e para a Arquidiocese de Évora, numa perspetiva mais global”, refere uma nota da confraria, enviada à Renascença.

Para assinalar o acontecimento, estão planeadas iniciativas em colaboração com várias entidades, entre elas a Câmara Municipal de Vila Viçosa, a Junta de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição e São Bartolomeu ou o Museu de Arte Sacra, que têm como objetivo comum, “reforçar o conhecimento da mensagem de São João Paulo II, assim como o seu papel muito importante para a História do século XX, e também na transição para o século XXI”.

Segundo a Régia Confraria, será revisitada a memória desse dia, “no eco das palavras e das imagens”, do “Papa de Maria, e do “Totus Tuus””.

João Paulo II, prossegue a nota, foi “uma das personalidades mais relevantes na queda dos muros e na aproximação do leste ao oeste da velha Europa”, por isso faz-se o propósito de “honrar este legado, precisamente no momento em que a guerra voltou ao nosso continente, rezando pela paz, e recolhendo bens que serão levados desde o nosso santuário, até às pessoas vítimas da guerra na Ucrânia. Com um abraço em Maria, a Rainha da Paz”.

As celebrações começam às 10h00, com a participação das crianças que vão honrar a memória de São João Paulo II, com mensagens de paz. Antes da eucaristia, às 11h00, no Santuário, inicia-se também a recolha de bens destinados à Ucrânia, o que acontecerá no adro desta igreja, até às 17h00.

A tarde fica marcada pela inauguração, às 15h00, da exposição fotográfica sobre a visita, em 1982, de São João Paulo II, seguindo-se às 16h00, um concerto pelo Grupo Corteto Sopranos.

“Esta é uma data para celebrarmos juntos, louvando a memória e firmando o compromisso com a paz, por Maria, como tantas vezes aprendemos de São João Paulo II”, refere, em jeito de apelo à participação de todos, a Régia Confraria de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Valente
    13 mai, 2022 Lisboa 23:35
    O grupo que atuará às 16 horas chama-se apenas Corteto

Destaques V+