Tempo
|
A+ / A-

guerra na Ucrânia

Diretor da Caritas-Spes: "Conflito só se resolve com maiores sanções ou mais armas"

03 mai, 2022 - 16:08 • Ecclesia

Instituição católica prossegue ajuda humanitária em locais difíceis e prepara ajuda "psicológica" para traumas de guerra, porque "não basta as pessoas estarem num lugar seguro".

A+ / A-

O padre Vyacheslav Grynevych, diretor da Caritas-Spes, na Ucrânia, disse esta terça-feira ter poucas expetativas sobre um eventual encontro entre o Papa Francisco e Vladimir Putin, considerando que a guerra só terminará “com mais sanções ou mais armas”.

“Na minha opinião, as sanções têm consequências para as pessoas simples na Rússia e as armas matam. Se houvesse sanções que mudassem a cabeça de Vladimir Putin seria melhor do que as armas porque nós queremos proteger as pessoas. É muito difícil perceber como fazer. Há muitas perguntas e poucas respostas”, referiu o sacerdote católico à Agência ECCLESIA.

Sobre um eventual encontro do Papa Francisco, que manifestou disponibilidade para ir a Moscovo, o diretor da Caritas-Spes alerta para diferentes entendimentos: “Da parte do Vaticano é um sinal de paz para resolver a guerra, mas estou preocupado que a Rússia use isso como um sinal de apoio à guerra. A ideia do encontro pode ser mal entendida”.

O responsável dá conta de um sentimento geral de expetativa em torno do próximo 9 de maio, dia da vitória soviética que marca a capitulação da Alemanha nazi na II Guerra Mundial (1939-1945).

“Putin vai querer mostrar uma vitória nesta guerra e estamos preocupados sobre o que ele vai mostrar à sociedade russa. Sei, entre colegas, que estamos apenas à espera do que vai acontecer”, lamenta.

Desde que o conflito começou, a 24 de fevereiro, a Caritas-Spes não tem cessado de trabalhar, quer na entrega de bens humanitários para quem permanece nas aldeias, como abrigando a população nos 37 abrigos que dispõe em diferentes territórios ucranianos.

O padre Vyacheslav dá conta que, na Crimeia, a Rússia ofereceu um corredor de evacuação, mas que não era seguro: “Tentamos preparar um plano B, haverá situações muito graves e pensamos numa evacuação, mas as pessoas querem continuar. É muito difícil”.

O responsável dá conta ainda de outra situação que acompanha, consequência das visitas que faz pelas regiões de forma a adequar o trabalho da instituição de ação social às necessidades, e regista, por exemplo em Kiev, o aumento de trânsito, fruto do regresso das pessoas.

“De uma forma geral, podemos dizer que há diferentes níveis da guerra: em alguns locais, ocupados, é muito difícil continuar a trabalhar ai. Mas continuamos. Penso nos trabalhadores da Caritas nesses locais e oferecemos possibilidades de evacuação e apoio, mas eles não querem e optam por continuar a trabalhar e permanecer, apesar de a sua família também ser bombardeada”, indica o entrevistado.

O diretor da Caritas-Spes dá conta do apoio que continuam a receber das organizações irmãs mas adianta que nunca sabem o que vai acontecer no momento seguinte.

“Num momento aguardas com esperança – esperávamos que a guerra terminasse mais rápido, porque diziam que a Europa ia resolver a situação, mas noutra altura não tens esperança. Continuamos a nossa vocação e o nosso serviço ao povo, caso contrário é difícil. Já vi as obras de Deus durante a guerra, e acreditamos que somos instrumentos de Deus na guerra, e isso dá-te poder”, explica.

Procurando manter a esperança numa resolução pacífica, o padre Vyacheslav Grynevych carrega, tal como muitos cidadãos ucranianos, o peso da história que, indica, é fruto de um regime, não apenas de uma pessoa.

“Os ucranianos conhecem o sistema e Vladimir Putin não trabalha sozinho: ele está no contexto do regime da União Soviética. Ele continua essa política que vem já de trás. Na minha família e em famílias de amigos, todos têm histórias de vítimas desse regime. O meu avô paterno foi morto porque era polaco, o meu avô materno esteve na Sibéria e veio com traumas e há muitas histórias similares entre amigos. Putin quer continuar o regime político e a responsabilidade é do regime, não apenas dele”, conta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+