Tempo
|
A+ / A-

A Renascença na Ucrânia

Núncio apostólico em Kiev à Renascença. "Em Mariupol só se salvou o missal"

21 abr, 2022 - 10:23 • José Pedro Frazão

A palavra Bucha provoca uma profunda tristeza em D. Visvaldas Kulbokas. O Núncio Apostólico que chegou a Kiev em setembro passou as primeiras semanas de guerra a ouvir explosões à distância a partir da Nunciatura no centro da capital ucraniana.

A+ / A-

Em entrevista à Renascença, o representante da Santa Sé descreve a forma como os católicos viveram estas semanas de guerra e como os padres e instituições católicas decidiram ficar junto das suas comunidades.

Como viveu os momentos mais difíceis aqui em Kiev, a poucos quilómetros das posições terrestres do exército russo e ainda sujeito aos bombardeamentos aéreos?

Aqui, na Nunciatura, estamos aproximadamente a 20 kms de Irpin, Vorzel e Bucha e a 50 kms de Borodyanka, Durante todo o mês de março, ouvia a partir daqui os bombardeamentos de artilharia cuja localização não conseguia identificar com precisão. No entanto, ao ler as notícias, fomos conseguindo perceber que aquelas explosões vinham daqueles lugares durante a primeira quinzena. Depois, as operações militares aproximaram-se do centro de Kiev e as explosões aconteciam a 7 a 8 kms de distância daqui. O próximo passo seria escondermo-nos constantemente na cave caso os bombardeamentos chegassem a este bairro.

Chegámos a pedir a um dos nossos padres, dos Franciscanos, que tem uma pequena comunidade próxima de Irpin, que viessem para a Nunciatura pelo menos durante alguns dias, mas ele deu-nos a mesma resposta que anteriormente os padres de Irpin: ‘Ficamos com a nossa comunidade’. Eles ficaram lá quase até ao fim de março e acabaram por sair porque as pessoas também saíram. Agora, em meados de abril, as pessoas estão a tentar regressar, mesmo que as autoridades peçam para não o fazerem.

Esses padres sentiram-se nalgum momento ameaçados pelas forças russas?

Há uma diferença entre os padres romanos católicos e os greco-católicos. Todas as informações dos serviços secretos indicavam que os bispos e padres greco-católicos seriam alvos potenciais se e quando os militares russos entrassem em determinado local. Por isso, os bispos e padres greco-católicos tentaram ficar, numa posição um pouco mais segura, mas não abandonando a comunidade. Nalgumas situações, saíram das cidades maiores e foram para as aldeias, esperando que nos locais mais pequenos estivessem um pouco mais distantes da operação militar.

"Informações indicavam que os bispos e padres greco-católicos seriam alvos potenciais"

Chegaram a celebrar funerais nas comunidades?

Não tenho detalhes, mas em toda esta região era praticamente impossível fazer essas celebrações porque no final de fevereiro e início de março, houve celebrações, mas não era possível chegar aqueles corpos de Bucha ou Borodyanka. Era impossível realizar funerais também porque não se sabia quem tinha morrido ao certo. Sei que, no caso dos militares, os corpos são levados para as suas cidades de origem e normalmente o funeral é realizado nessas paróquias, sejam católicas ou ortodoxas. O nosso bispo de Kiev disse-me que, por vezes, os padres são convidados pelas autoridades locais para formularem uma oração pelos falecidos numa cerimónia muito pequena, não chegando a ser um funeral.

As missas foram celebradas nos abrigos das igrejas?

Depende das situações e da localidade em causa. Por exemplo, na Igreja de São Nicolau era quase normal celebrar no piso inferior, enquanto, que na catedral de Santo Alexandre as missas realizaram-se sempre no local habitual da igreja.

O que aconteceu com as instituições ligadas à Igreja?

Depende das situações. Por exemplo, as Irmãs da Misericórdia diziam que não podiam sair porque serviam muita gente. Ficaram com menos comida e, de tempos a tempos, tiveram que transferir toda a comunidade para a cave. O escritório da Caritas deslocou-se para Lviv e Uzhorod de forma a poder continuar a trabalhar. A direção da Caritas, quer a Caritas Ucrânia quer a Caritas SPES que é católica romana, coordenou a chegada da ajuda humanitária. Foi um trabalho muito precioso. Se tivessem ficado em Kiev não teriam conseguido fazer esse trabalho.

"Tenho informação que cerca de 60 igrejas foram destruídas ou danificadas"

Os edifícios, os templos sofreram danos?

Não tenho dados sobre igrejas católicas danificadas. Até agora, a informação que tenho é que cerca de 60 igrejas em toda a Ucrânia foram destruídas ou danificadas. Mas a maioria delas eram igrejas ortodoxas. E maioria delas da Igreja Ortodoxa que na Ucrânia está ligada ao Patriarcado de Moscovo, o que é um fato muito surpreendente. Algumas eram de facto católicas, mas, por exemplo, em Mariupol não havia propriamente uma igreja, era uma capela. Não foi completamente destruída pelos bombardeamentos, mas depois os militares entraram e nessa altura foi danificada no seu interior.

Neste momento ainda há padres em Mariupol?

Os padres acabaram por deixar o local, acompanhando outras pessoas que foram evacuadas. Falei ao telefone com um deles. Disse-me que a única coisa que eles puderam trazer da capela foi o missal, que é muito precioso, mas perderam-se todas as outras coisas. Sei também que em Kharkiv a residência do bispo foi também danificada devido ao impacto de explosões em casas vizinhas.

É verdade que nalguns locais as caves das Igrejas Católicas estão a ser usadas para dar abrigo até a padres ortodoxos?

Sim, ouvi falar pelo menos numa ou duas situações desse género. Mas isso é normal num tempo como estes. Aconteceu por exemplo em Irpin, quando ficaram abrigados dos bombardeamentos junto com os padres ortodoxos. Quando falei aqui com os nossos amigos muçulmanos, que estão a dois quilómetros aqui da Nunciatura, eles disseram o mesmo. Toda a gente é bem-vinda, muçulmanos, ortodoxos, católicos, todos. Como também na nossa igreja de São Nicolau aparecem outras pessoas. Na Catedral de Santo Alexandre houve pessoas a dormir nas sacristias. Todos os espaços disponíveis foram usados para poderem lá dormir. Também na Catedral greco-católica da Ressurreição, situado do outro lado do Rio Dniepre, as celebrações também continuaram na cave e cerca de 400 pessoas estavam lá a dormir, porque é um espaço grande e com casas de banho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+