Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Arcebispo de Kiev à Renascença: "Não apenas derrotaremos o inimigo, mas também venceremos o ódio em nós mesmos”

17 abr, 2022 - 08:45 • José Pedro Frazão , enviado à Ucrânia

O Arcebispo de Kiev admite que seria difícil organizar a visita do Papa a Kiev sem mexer nas estruturas de defesa que travam a guerra contra a Rússia. Em entrevista à Renascença, D. Vitalyi Krivitsky revela conversações para a peregrinação até Kiev da imagem de Nossa Senhora de Fátima que está em Lviv, Ucrânia Ocidental.

A+ / A-

Nasceu em Odessa há quase 50 anos e entrou para os Salesianos aos 18. O bispo D. Vitaliy Krivitsky lidera a diocese de Kiev-Jitomir que junta a capital ucraniana à cidade que se situa a oeste do centro nevrálgico do poder na Ucrânia.

Qual é o significado da Páscoa para os católicos nesta situação de guerra na Ucrânia?

Em primeiro lugar, a Páscoa existe independentemente do estado de um país ou do mundo. Na história da Igreja, conhecemos períodos em que a Páscoa coincidiu com a guerra. E hoje repetimos este caminho de dor, lágrimas, mas é neste caminho que vemos hoje a alegria do Senhor Ressuscitado. Vemos a alegria de que cada um de nós precisa, que abre novos caminhos, inclusivé a vitória. Vitórias nesta guerra, assim como vitórias espirituais para cada um de nós.

O Domingo de Páscoa é o dia da alegria, libertação, Ressurreição. Quando é que a Ucrânia pode também obter a sua Ressurreição ?

Já está hoje a celebrar esta alegria na fé. Estamos cheios dessa alegria, porque ela depende da Ressurreição de Cristo, não do que temos ou do que não temos. Assim, acredito que hoje é um prenúncio dessa alegria suprema. E em breve, Deus sabe, provavelmente haverá um dia em que nos poderemos alegrar ainda mais, porque vencemos. Nós não apenas derrotaremos o inimigo, mas também venceremos o ódio em nós mesmos. Venceremos algumas trevas que vieram agora, durante a guerra. Derrotaremos a morte para viver.

Encontrei muitos militares aqui na igreja durante esta oração. Qual é a presença da igreja nas forças armadas, neste momento? Eles vêm rezar, vêm pedir proteção? O que pode Deus fazer com esses soldados, militares que vão e lutam pelo país?


Claro que há pessoas que são católicas, que são cristãs, que sentem que hoje, não importa onde estejam, querem estar na igreja, querem viver este dia de Páscoa. Em particular, preparámos alguns bolos de Páscoa para aqueles que hoje estão longe das suas casas. São pessoas que estão na defesa territorial, que administram sacramentos, distribuem a santa confissão, com o apoio junto das pessoas. De várias outras maneiras, estamos prontos para compartilhar o pão com todos: seja mais um necessitado ou sejam os defensores do nosso estado. Também recolhemos medicamentos que enviamos para os hospitais, que têm muita gente, incluindo militares feridos que hoje precisam de intervenção urgente. Este é um momento de trabalho conjunto e agradeço a todos os voluntários e organizações beneficentes que não ficaram quietos durante este tempo.

O Papa Francisco faz-se representar aqui com o cardeal Krajewski. Muitas pessoas pedem ao Papa para estar mais presente e realmente vir a Kiev. Acha que poderá receber a visita do Papa?

Claro que o gesto deste Papa, com sua presença através do cardeal, é muito importante para cada um de nós. Sabemos que o Papa gostaria de estar na Ucrânia, mas entendemos que, devido à guerra, este pode ser um processo difícil. Isso pode ser um desafio, uma vez que será necessário retirar as pessoas da defesa das nossas cidades e do nosso estado e empenhá-las na defesa habitual durante essa visita. Por isso, acreditamos que, neste momento, esta unidade espiritual nestes diferentes gestos do Papa é suficiente e realmente dá muito para a Ucrânia. Mas chegará um momento em que teremos que curar as feridas e então a visita do Papa será mais adequada.

A imagem de Fátima está neste momento em Lviv. O Santuário de Fátima diz que precisa apenas de um convite por escrito para que a imagem venha até Kiev. O senhor assinaria esse pedido para que a imagem aqui chegue?

Claro. Até já conversámos com os organizadores desta peregrinação para trazer a imagem mais próximo de Kiev. Disseram-nos que havia algumas dificuldades, ainda havia operações militares perto de Kiev naquela altura. Os próprios organizadores disseram que estavam abertos a essa discussão, mas ela ainda está em andamento. Ficaremos muito felizes em aceitar esta imagem, como sinal de paz e sinal da presença da Mãe de Deus nos problemas de seus filhos, ou seja, os nossos ucranianos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+