Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Igreja com "papel insubstituível" no apoio às vítimas da guerra na Ucrânia

24 mar, 2022 - 20:31 • Ana Lisboa

A Fundação AIS tem estado em contacto permanente com um padre em Kiev que fala do "drama de quem se sente impotente perante as forças destrutivas das bombas".

A+ / A-

Com o apertar do cerco à capital da Ucrânia, "ganha relevo o papel insubstituível que a Igreja tem vindo a dar no apoio às vítimas da guerra", afirma a Fundação AIS em comunicado.

Durante um mês de guerra que hoje se completa, "têm sido muitos os sacerdotes, religiosas e bispos a trazer até ao mundo o grito de sofrimento de todo um povo que se viu, de um dia para o outro, a ter de lutar pela própria sobrevivência".

Um deles é o padre Mateusz Adamski que "tem estado quase em permanente ligação com a Fundação". Ele está em Kiev, na paróquia católica de Santo António.

A capital ucraniana "vive no sobressalto permanente de quem sabe que o ataque final pode estar a acontecer a qualquer momento".

Nos abrigos e nos improvisados 'bunkers', o padre Mateusz tem escutado todos os que se escondem para fugir da morte.

Ele diz que “as pessoas choram e lamentam muito".

E acrescenta que "muitas vezes, nada mais se pode fazer do que esperar".

E enquanto se espera, reza-se, diz o sacerdote. "Todos os dias rezamos juntos e adoramos Jesus no Santíssimo Sacramento", mas "por razões de segurança" não pode revelar o lugar exato onde se encontra.

O pároco da Igreja de Santo António de Kiev aproveita para agradecer "toda a ajuda e apoio que chega de todo o mundo e pelas palavras amáveis. Agradecemos a todos os que rezam por nós e contribuem com donativos para ajudar as necessidades da Ucrânia".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+