Tempo
|
A+ / A-

Papa condena atos “bárbaros” do ataque a deslocados na República Democrática do Congo

05 fev, 2022 - 14:16 • Ecclesia

O ataque vitimou 62 pessoas, entre elas 17 crianças.

A+ / A-

O Papa Francisco enviou um telegrama ao Presidente da Republica Democrática do Congo, Félix Tshisekedi, onde manifesta proximidade e lamenta o ataque ao campo de deslocados Plaine Savo, em Ituri, que vitimou 62 pessoas, entre elas 17 crianças.

“Sua santidade pede ao Pai toda a misericórdia e que acolha na sua paz e na sua luz, os mortos, e dê conforto aos que lamentam a sua perda”, pode ler-se no telegrama, divulgado pela sala de imprensa da Santa Sé e assinado pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de estado do Vaticano.

Um ataque, atribuído à milícia Cooperativa para o Desenvolvimento do Congo (Codeco), foi cometido no dia 1 de fevereiro, no campo de deslocados Plaine Savo, em Ituri, no nordeste da Republica Democrática do Congo, e vitimou 62 pessoas, segundo informação das autoridades locais.

O Papa Francisco “condena fortemente” os atos “bárbaros”, causadores “de grande sofrimento e desolação no país”.

“Imploro os divinos dons de cura e consolo para os feridos e enlutados, a quem manifesta a sua proximidade espiritual e profunda simpatia. Que o próprio Senhor dê coragem e força às famílias com problemas e a todas as pessoas que ajudam a aliviar a vítimas”, pode ler-se.

O texto expressa ainda o desejo de paz para a região e apresenta a “bênção a todos os povos congoleses”.

O Conselho Norueguês para Refugiados disse em comunicado que o campo de Plaine Savo abriga “mais de 24.000 pessoas que fugiram da violência no território de Djugu em 2019”, região que acolhe os refugiados expulsos das suas casas em ataques anteriores.

Barómetro de Segurança do Kivu registou em oito dias a morte de 123 civis na mesma região, incluindo em campos de deslocados internos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+