Tempo
|
A+ / A-

Mensagem de Natal

Bispo de Viana do Castelo. “O homem atual tem medo de si mesmo”

09 dez, 2021 - 15:48 • Henrique Cunha

D. João Lavrador aproveita mensagem de Natal para criticar a cultura de medo reinante e para interpelar ao “encontro de Jesus de Nazaré, que nos ensina, com gestos concretos, os fundamentos de uma nova humanidade”.

A+ / A-

O bispo de Viana do Castelo dirige, nesta quinta-feira, a sua primeira mensagem de Natal aos diocesanos, na qual afirma que “celebramos o Natal de Jesus de Nazaré na expectativa, na esperança, mas também na perplexidade, no receio e no sofrimento”.

D. João Lavrador diz sentir o dever de convidar cada pessoa, cada comunidade e a sociedade em geral a não ter “medo de aceitar e de se abrir a esta novidade que constantemente nos desafia, na nossa inteligência, na nossa sensibilidade, nos nossos objetivos e critérios, nos nossos modelos de vida e nas nossas dúvidas e certezas”.

“Estamos envoltos no medo, mais nítido ou encapotado” e “o homem atual tem medo de si mesmo, dos outros, do futuro, da renovação e da mudança de comportamentos”, afirma.

“Instalado no seu conforto, olha para os outros com medo de o retirarem do seu comodismo”, sublinha. Por isso, o bispo de Viana do Castelo entende ser “urgente escutarmos a voz que, tal como o Anjo junto dos pastores de Belém, convida a não ter medo e a avançar no caminho que nos leva ao encontro dAquele que todos procuram, que não se restringe a uma ideologia, a um projeto mundano ou a uma construção racional ou social, mas que, para saciar a sede de infinito do ser humano, só poderá ser o ‘Messias Senhor’”.

D. João Lavrador deixa um segundo convite que “diz respeito à alegria” e insiste na necessidade de mudança na sociedade.

“Se estamos num mundo de medos que ergue muros de separação entre uns e outros, pobres e ricos, excluídos e instalados, poderosos e escravos, cultos e analfabetos, miséria e opulência, então, é urgente percorrer outro caminho que nos é apontado e que nos leva ao encontro de Jesus de Nazaré que nos ensina com gestos concretos os fundamentos de uma nova humanidade”, reforça.

O prelado confessa que partilha “do sonho do Papa Francisco, quando diz que ‘como cristãos, não podemos esconder que, se a música do Evangelho parar de vibrar nas nossas entranhas, perderemos a alegria que brota da compaixão, a ternura que nasce da confiança, a capacidade da reconciliação que encontra a sua fonte no facto de nos sabermos sempre perdoados-enviados’” (FT 277).

O bispo não termina a sua mensagem de Natal sem um terceiro convite, “dirigido para a missão que compete a cada um em tornar visível e efetiva a ação renovadora do Evangelho”.

Apela ainda que, “neste Natal, os pobres e excluídos se sintam na Igreja ‘como na sua verdadeira casa’; que a comunidade cristã seja a sua verdadeira família; e que se sintam reconfortados e dignificados pelo amor e comunhão que brota da prática da fé cristã”.

“Se todos nos empenharmos, do Natal nasce um mundo novo”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+