Tempo
|
A+ / A-

Novo bispo de Viana do Castelo. Marginalizados e trabalhadores no centro das preocupações de D. João Lavrador

27 nov, 2021 - 14:00 • Isabel Pacheco

O novo bispo de Viana do Castelo tomou posse e alertou para o perigo dos interesses particulares em tempo de crise, pedindo que não se deixe morrer a solidariedade que a pandemia despertou.

A+ / A-

O bispo D. Joao Lavrador tomou posse como bispo da diocese de Viana do Castelo este sábado, véspera da entrada solene, na Sé Catedral.

No início da nova missão, D. João Lavrador lembrou que os interesses do mundo arranjam “todas as suas artimanhas para açambarcar” sem olharem “à condição da pessoa” e aponta dois possibilidades de caminho: a dos interesses particulares ou a da solidariedade.

“Esta solidariedade que nos foi pedida a partir do vírus não poderia ser aproveitada para, agora, conscientemente, livremente, humanamente podermos desenvolver esta realidade no sentido de maior equidade, maior solidariedade, maior fraternidade entre nós?” questionou, prosseguindo: “O outro caminho é deixarmos assaltar tudo e as coisas estão por aí, se puderem açambarcar e fazer com que venham todos os fundos para nós e para este e para aquele e por aí fora”, alerta.

Na chegada à diocese de Viana do Castelo, D. João admite estar preocupado, sobretudo, com os “marginalizados” e com os trabalhadores de “todas as áreas profissionais”, aos quais promete estar atento.

“Todas as áreas profissionais importam porque é onde realmente as pessoas estão, onde elas lutam e onde centram-se muitas das suas aspirações. Gostaria muito de acompanhar”, disse, sublinhando a importância do trabalho e a necessidade de apoio da diocese junto dos trabalhadores “porque muitos lutam com muitas dificuldades”.

O até agora bispo de Angra reconhece que em cada área profissional “há problemas particulares”, como os "problemas do pessoal médico, das empresas, dos serviços públicos", mas há também "uma realidade geral que atinge a todos. E que todos deviam estar em sintonia, em fraternidade.”, defende.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+