Tempo
|
A+ / A-

Papa exorta governos no combate à pornografia infantil

11 nov, 2021 - 11:00 • Olímpia Mairos

Na entrevista ao “Paris Match”, Francisco reafirma a sua vergonha perante os casos de abusos sexuais na Igreja.

A+ / A-

O Papa insta os governos a combater a pornografia infantil. O desafio de Francisco é feito através de uma entrevista à revista de informação francesa “Paris Match”.

Os grupos responsáveis pela produção de pornografia infantil “comportam-se como máfias que se escondem e se defendem” e “os governos deveriam tomar providências” contra este fenómeno, “o quanto antes”, defende Francisco, na entrevista, citada pelo Vaticano News.

Na conversa com Caroline Pigozzi, da revista francesa, o Papa voltou a definir o escândalo dos abusos na Igreja como uma “vergonha”.

Questionado sobre o que a Igreja pode fazer para que a luta contra a Covid-19 não beneficie alguns, como as empresas farmacêuticas que produzem vacinas, Francisco aponta o trabalho eficiente da Comissão do Vaticano, criada dentro do Dicastério, para o Serviço de Desenvolvimento Humano Integral, que envolveu Igrejas, instituições e voluntários em ações concretas de combate à pandemia.

Na entrevista, fala também de projetos futuros, dos novos desafios para os quais se deve preparar e da reforma da Cúria Romana.

“Desde a minha eleição à cátedra de Pedro, tentei colocar em prática o que os cardeais pediram, durante o reuniões pré-Conclave. Nem tudo foi realizado, até agora”, admite.

O Papa diz estar a recuperar “bem” da operação a que foi submetido, na sequência de um problema no cólon, assegurando que leva “uma vida normal” e pode “trabalhar ao mesmo ritmo de antes”.

A entrevista estará disponível no livro "Pourquoi eux" (Por que eles?), publicado pela Editora Plon, com lançamento agendado para o dia 18 de novembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+