Tempo
|
A+ / A-

Abusos sexuais

França. Relatório fala de 216 mil vítimas de abusos sexuais na Igreja em 70 anos

05 out, 2021 - 09:22 • Filipe d'Avillez , João Cunha

A comissão nacional de investigação de casos de abusos praticados por membros da Igreja francesa diz que se tratou de um problema “sistémico” e que um “véu de silêncio” protegeu os agressores.

A+ / A-

Houve 216 mil vítimas de abuso sexual de menores a envolver membros da Igreja Católica em França, entre 1950 e 2020.

A conclusão, baseada em estimativas, consta de um relatório da comissão nacional de investigação de casos de abuso sexual de menores na Igreja em França, que está a ser divulgado esta terça-feira.

O relatório indica ainda que um véu de silêncio protegeu o clero francês, acusado ao longo de décadas de abusos sexuais e que a hierarquia da Igreja demonstrou uma “indiferença cruel” para com as vítimas. O problema terá tido um “caráter sistémico”.

A comissão nacional de investigação recomenda que a Igreja Católica proceda ao pagamento de indemnizações às vítimas sem esperar por decisões judiciais.

A mesma comissão já tinha referido que tinham sido identificados entre 2.900 e 3.200 criminosos pedófilos, padres ou religiosos, na Igreja Católica francesa desde a década de 50. Esta terça-feira foi revelado que desses, dois terços eram padres. Estatisticamente, tendo em conta o universo de 115 mil padres e religiosos no mesmo período, os abusos foram praticados por menos de 3% do total de membros do clero.

O relatório indica que o número de casos poderá chegar aos 330 mil, caso se junte os casos praticados por leigos ligados à Igreja.

Segundo o jornal "La Croix" o relatório diz que 80% das vítimas eram rapazes, com "uma forte concentração entre os 10 e os 13 anos".

O relatório foi coordenado e apresentado por Jean-Marc Sauvé, que disse ainda que 56% de todos os casos ocorreram entre os anos de 1950 e 1969. Houve depois uma "queda abrupta" nos anos 70 e 80, que poderá explicar-se pela também abrupta diminuição do número de membros do clero, mas desde 1990 o número estabilizou. "Temos de abandonar a ideia de que a violência sexual na Igreja Católica foi completamente erradicada e que o problema já não existe. Não, o problema permanece", diz.

Sauvé diz ainda que "a prevalência de casos de violência sexual é significativamente mais alta em círculos eclesiais do que noutros círculos sociais, como escolas ou campos de férias".

Segundo o relatório, no mesmo espaço de tempo houve 141 mil casos de vítimas nas escolas públicas, 103 mil em ambientes de atividades desportivas, 103 mil em colónias de férias e similares e 51 mil em coletividades artísticas e culturais.

Estes números significam que o risco que uma criança corria de ser abusada na Igreja ao longo destas sete décadas era de 1,16% na Igreja, ou de 0,82% se apenas forem tidos em conta os abusos praticados por membros do clero, comparando com 0,36% em colónias de férias, 0,34% em escolas públicas e 0,28% em atividades desportivas.

Em relação à metodologia, o relatório explica que "O apelo às denuncias ou testemunhos permitiu identificar 2.700 vítimas, uma revisão aos arquivos permitiu identificar 4.800 casos, e o inquérito à população francesa maior de 18 anos identificou 216 mil pessoas agredidas sexualmente enquanto eram menores, por elementos do clero, religiosos ou religiosas. Se a este número juntarmos as vítimas de agressões por leigos ao serviço da igreja, o número passa de 216 mil vítimas para 330 mil", disse Sauvé

"A minha vontade hoje é pedir perdão"

Numa primeira reação às conclusões do relatório, o arcebispo de Reims e presidente da Conferência Episcopal francesa, Éric de Moulins-Beaufort, disse que a sua vontade é de pedir perdão às vítimas, em nome da Igreja.

"Exprimo a minha vergonha, o meu herror e tambem a minha determinação em agir para que a vontade de abafar ou esconder, a relutância em denunciar publicamente este problema, desapareça", disse, durante a conferência de imprensa de apresentação do documento.

"O relatório chama-nos a sermos mais lúcidos. O tempo da ingenuidade e das ambiguidades terminou", disse ainda o arcebispo, concluindo que "a minha vontade hoje é de vos pedir perdão".

[Notícia atualizada às 10h47]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+