Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Talibãs no Afeganistão pode ser fator de “incentivo” para extremistas iraquianos, alerta bispo caldeu

28 set, 2021 - 09:44 • Olímpia Mairos

Arcebispo de Erbil teme que a retirada da missão dos Estado Unidos, até ao final do ano, agrave o sentimento de insegurança que já se está a viver no Iraque e antevê impactos negativos não só entre a comunidade cristã, mas também em relação a outras minorias religiosas.

A+ / A-

O arcebispo caldeu de Erbil receia que a chegada ao poder no Afeganistão dos talibãs funcione como um elemento catalisador para a atividade dos extremistas iraquianos.

De acordo com D. Bashar Warda, a atividade dos movimentos extremistas tem crescido nos últimos tempos no Iraque e a isso não será alheia a situação que se vive no Afeganistão.

Em declarações à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), D. Warda assinala que os dois países são muito diferentes, mas alerta que “a subida ao poder dos talibãs pode ter implicações extremamente graves para o Iraque”, podendo funcionar como “um incentivo àqueles que apoiam este tipo de regime”.

O bispo caldeu mostra-se “preocupado” com a atividade dos grupos terroristas no Iraque, reconhecendo que “eles não saíram totalmente” do país e que continuam dotados de “capacidade de causar danos”.

O arcebispo de Erbil teme que a retirada da missão dos Estado Unidos, até ao final do ano, irá agravar o sentimento de insegurança que já se está a viver e terá um impacto negativo, não só entre a comunidade cristã, mas também em relação a outras minorias religiosas presentes na região.

D. Bashar Warda nota que a História recente do Iraque ensina que “nos momentos de instabilidade e conflito são as minorias que sofrem primeiro” e, por isso, alerta que “qualquer mudança no envolvimento dos EUA no Iraque conduzirá a um aumento da instabilidade”.

“Estamos preocupados que [essa situação] irá conduzir a uma perseguição adicional às minorias religiosas”, afirma o bispo caldeu, mostrando-se, no entanto, esperançoso no futuro do cristianismo no Iraque, especialmente depois da visita do Papa Francisco ao país em março deste ano.

“Somos um pequeno número [de fiéis], mas estamos firmes e a dar o nosso melhor, onde quer que estejamos no Iraque, para mostrar que somos uma peça vital no tecido do país. Penso que a visita do Santo Padre mostrou ao resto do Iraque o impacto positivo da comunidade cristã e também o impacto positivo que pode trazer ao Iraque, à forma como o mundo vê o nosso país”, disse D. Bashar Warda em declarações à AIS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+