Tempo
|
A+ / A-

Entrevista

Papa apela a governos para acabar com pornografia infantil

01 set, 2021 - 09:15

Francisco diz ser falso que os Estados não sabem de redes pedófilas nos seus países. “Os serviços de informação sabem tudo”.

A+ / A-

Veja também:



O Papa Francisco pede que os Governo façam mais para acabar com a pornografia infantil dentro das suas fronteiras, sugerindo que não falta informação para agirem.

Em entrevista à rádio católica espanhola Cadena COPE, diz que não falta informação aos Governos para agir, dando a entender que o que falta é mesmo vontade.

A pedofilia é um problema mundial grave. Pergunto-me às vezes como é que certos governos permitem a produção de pornografia infantil. Diz-se que não se sabe? Os serviços de inteligência sabem tudo. É das coisas mais monstruosas que existem”, afirmou o Papa nesta entrevista que foi transmitida quarta-feira de manhã.

A resposta do Papa surgiu num contexto em que foi interrogado sobre o que a Igreja tem feito em relação a este assunto, e se está satisfeito com a forma como as diferentes conferências episcopais têm posto em prática as orientações saídas de Roma, para combater o problema dos abusos sexuais nas suas próprias fileiras.

Começou com um elogio público ao cardeal Sean O’Malley, o prelado norte-americano que “começou a falar deste assunto antes de ser aceitável, quando ainda era uma pedra no sapato da Igreja. Ele lidou com o problema em Boston, e muito bem.”

A comissão de proteção de menores foi uma criação dele”, referiu ainda Francisco, falando da organização criada pela Igreja para supervisionar a resposta da própria instituição, a nível internacional, e que conta com especialistas leigos, de diversos setores.

“Hoje em dia funciona muito bem. Agora tenho de renovar metade das pessoas, porque renovamos de três em três anos, e temos lá pessoas de primeira classe, de países diferentes, que lidam com problemas destes. Creio que a chave é esta”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+