Tempo
|
A+ / A-

Bispos de Cuba pedem o fim dos confrontos e da "imobilidade" que não resolve problemas

14 jul, 2021 - 14:58 • Redação, com Ecclesia

O povo cubano está, desde domingo, a sair à rua, em manifestações, por causa da crise económica, que agravou a escassez de alimentos e medicamentos, e obrigou o governo a cortar a eletricidade durante várias horas por dia.

A+ / A-

Os bispos católicos de Cuba reagiram às manifestações que levaram milhares de pessoas às ruas, contra a escassez de alimentos e medicamentos, pedindo o fim dos confrontos e criticando a “imobilidade” que prolonga os problemas.

“Neste momento, como pastores, preocupamo-nos que a resposta a essas reivindicações seja a imobilidade que contribui para dar continuidade aos problemas, sem resolvê-los. Não só vemos que as situações pioram, mas também que caminhamos para uma rigidez e endurecimento de posições que podem gerar respostas negativas, com consequências imprevisíveis que nos prejudicariam a todos”, afirma o episcopado cubano, num comunicado publicado na sua página na Internet.

“Não se chegará a uma solução favorável por imposições, nem por apelos ao confronto, mas quando se exerce a escuta mútua, se procuram acordos comuns e se dão passos concretos e tangíveis que contribuem, com a colaboração de todos os cubanos sem exclusão, para a construção da Pátria ‘com todos e para o bem de todos’”, acrescentam os responsáveis.

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, pediu no domingo aos seus apoiantes, para saírem às ruas, prontos para o “combate”, em resposta às manifestações que aconteceram contra o Governo em vários pontos do país.

Os bispos cubanos reconhecem que a realidade não pode ser ignorada e relatam que “apesar dos riscos de contágio da Covid-19”, milhares de pessoas saíram às ruas de cidades e vilas de Cuba, “protestando publicamente, expressando seu desconforto pela deterioração da situação económica e social que atravessa nosso país”.

“Entendemos que o Governo tem responsabilidades e tem procurado tomar medidas para amenizar as referidas dificuldades, mas também entendemos que o povo tem o direito de expressar suas necessidades, desejos e esperanças e, por sua vez, de expressar publicamente como algumas medidas que têm foram levados a sério e afetam a população”, pode ler-se.

Numa mensagem dirigida a “todos os cubanos de boa vontade”, assinada no último dia 12, o episcopado sublinha que “violência gera violência” e que a agressividade “abre feridas e alimenta ressentimentos para o amanhã que custarão muito trabalho superar”.

“Convidamos a todos a não contribuir para a situação de crise, mas com serenidade de espírito e boa vontade, exercitar a escuta, a compreensão e a atitude de tolerância, que leva em conta e respeita o outro para procurarmos juntos caminhos de uma solução justa e adequada”, apelam os bispos.

As manifestações de apoio ás manifestações em Cuba, têm acontecido pelo mundo, com protestos em frente à embaixada cubana no México, nas ruas da Florida, nos Estados Unidos da América, onde reside uma grande comunidade cubana, e também em Roma.

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, em declarações à Lusa, pediu respeito pelo direito à manifestação em Cuba e o fim das sanções norte-americanas ao país, para tentar diminuir a crise económica.

“A posição de Portugal é muito simples: nós esperamos que a situação em Cuba evolua de forma positiva e que sejam respeitados os direitos das pessoas, entre os quais, do nosso ponto de vista, se inclui o direito a manifestações e reuniões pacíficas”, afirmou o chefe da diplomacia portuguesa.

Segundo a Lusa, as autoridades não divulgaram ainda um número oficial de detenções, mas existe uma lista provisória elaborada por ativistas locais que conta já com 65 nomes só em Havana.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+