Tempo
|
Autárquicas 2021
35,58%
140Câmaras
13,83%
69Câmaras
11,41%
29Câmaras
7,9%
18Câmaras
5,68%
18Câmaras
4,1%
0Câmaras
2,57%
0Câmaras
1,54%
5Câmaras
1,15%
0Câmaras
12,08%
10Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3049 de 3092
  • Abstenção: 45,98%
  • Votos Nulos: 1,60%
  • Votos em Branco: 2,53%

A+ / A-

Bispos europeus contra proposta para consagrar aborto como direito humano

17 jun, 2021 - 19:02 • Pedro Mesquita , com redação

O polémico relatório "Matic" vai a votos no Parlamento Europeu. À Renascença, o bispo do Funchal afirma que em vez de promover o aborto, a União Europeia devia “apoiar a maternidade”.

A+ / A-

Os bispos europeus divulgaram esta quinta-feira um documento onde se manifestam contra as propostas inscritas no chamado relatório "Matic", que deverá ser votado ainda este mês pelo Parlamento Europeu, e onde aborto é definido como um direito humano.

A propósito do relatório “Matic”, a Renascença falou com o bispo do Funchal, D. Nuno Brás, que é também delegado da Conferência Episcopal Portuguesa para a Comissão dos Episcopados da União Europeia.

D. Nuno Brás explica que a denúncia apresentada pelos bispos europeus visa “mais uma tentativa – houve uma anterior em 2013 – de legislar em matéria de saúde e educação que é própria de cada Estado”.

“Trata-se de uma tentativa de impor, a partir de cima, a partir da União Europeia, normas para os Estados que apontam o aborto como se fosse um direito humano, é uma tentativa de normalizar o aborto como direito humano e de impor a ideologia de género”, alerta o bispo do Funchal.


Os bispos europeus consideram que esta é “uma matéria de cada Estado e é importante que a União Europeia respeite isso”.

Em segundo lugar, “o aborto não é obviamente um direito humano. Aquilo que é o direito humano é, quanto muito, o direito à maternidade”.

Para D. Nuno Brás, em vez da promoção do aborto, a União Europeia devia “apoiar a maternidade” indicar aos Estados caminhos nesse sentido.

O delegado da Conferência Episcopal Portuguesa para a Comissão dos Episcopados da União Europeia sublinha que o relatório “Matic”, também, tenta limitar o direito à objeção de consciência por parte dos profissionais de saúde.

“Existe a tentativa de limitar o direito à objeção de consciência prevista na lei de vários Estados. Um médico que queira ser obstetra, mas que tenha objeção de consciência na prática do aborto não o pode ser. Trata-se de limitar a objeção de consciência aos profissionais de saúde que lidam com a maternidade”, critica o prelado.

Os bispos europeus querem “alertar as consciências dos eurodeputados no sentido de votarem contra este relatório que não tem ponta por onde se pegue, tal como aconteceu em 2013”, conclui D. Nuno Brás.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Santos
    17 jun, 2021 Tojal 21:50
    “Trata-se de uma tentativa de impor, a partir de cima, a partir da União Europeia, normas para os Estados que apontam o aborto como se fosse um direito humano, é uma tentativa de normalizar o aborto como direito humano e de impor a ideologia de género”. Parece que os senhores bispos ainda não acordaram. Os senhores bispos já informaram os vossos diocesanos da pérfida e satânica que é a Ideologia do Genro? Não. Será que vós sabeis o que é? Duvido. Em 2003 li parte de uma acta de uma das cimeiras sobre sustentabilidade da vida no planeta terra, promovida pela ONU, num dos parágrafos lia-se: "Promover entre as crianças dos infantários práticas efectivas de relações homossexuais”. Se isto é para vós novidade solicito que visualizem os vídeos de Alberto Bárcena sobre I. de G. Ficareis surpreendidos ao saber que um dos países impulsionadores desta iniciativa, quando ela estava a fraquejar, foi PORTUGAL, nos anos de 1995 e seguintes, quando o país, tinha por 1º Ministro Guterres, que por paixão, tinha a Educação. Não é por acaso que ele é o Secretário Geral da ONU, e os nossos bispos, pastores que pouco, zelam pelos seus rebanhos.

Destaques V+