Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Páscoa 2021: Conferência Episcopal Portuguesa manifesta solidariedade com quem sofre impacto da Covid-19

27 mar, 2021 - 16:37 • Ecclesia

Ao contrário do que aconteceu em 2020, por causa da pandemia, as celebrações deste ano vão contar com a participação de assembleia.

A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou hoje a sua mensagem para a próxima Páscoa, celebrada pela segunda vez em contexto de pandemia, manifestando a sua solidariedade com quem sofre o impacto da Covid-19.

“A mesa com Cristo leva-nos à missão e à proximidade com quantos são atingidos pela pandemia e sofrem nos lares, nos hospitais e nas instituições, pedindo a bênção de Deus e a recuperação da saúde e da esperança”, escrevem os bispos católicos, num documento intitulado ‘A esperança da Páscoa’.

O texto, enviado à Agência ECCLESIA, evoca a “dor das famílias” que perderam os seus entes queridos, “confiando-os aos braços misericordiosos do Ressuscitado”, e a “angústia dos que perderam ou viram substancialmente reduzidos os seus rendimentos necessários a uma vida condigna”.

“Renovamos a nossa gratidão pela heroicidade e dedicação à dignidade da vida humana: aos profissionais de saúde e de segurança, aos voluntários e a todas pessoas que fazem avançar a história da humanidade nos serviços essenciais e quotidianos ao bem comum”, refere a CEP.

Segundo os responsáveis católicos, “é nos gestos de amor, de partilha, de serviço, de encontro, de fraternidade” que é possível encontrar Jesus Cristo vivo, “a transformar e a renovar o mundo”.

“Sem ela a vida torna-se árida, insuportável, sem sentido. Cristo ressuscitado e glorioso é a fonte profunda da nossa esperança viva”, indicam os bispos católicos.Apesar desta situação “dolorosa”, a CEP convida a manter viva a “esperança da Páscoa”.

Ao contrário do que aconteceu em 2020, por causa da pandemia, as celebrações deste ano vão contar com a participação de assembleia.

A CEP determinou o regresso das celebrações públicas da Missa, a partir de 15 de março, mantendo a suspensão de procissões e outras manifestações populares, entre elas o tradicional “compasso” da Páscoa.

Os bispos apontam, por isso, à importância da celebração da Páscoa “nas casas e nas famílias”.

“A mesa é o lugar da partilha do pão e do dom da comunhão. A mesa continua a ser o lugar do dom da Páscoa: mesa da Palavra, mesa da Eucaristia e mesa da caridade fraterna. Aqui acontece o milagre da fraternidade cristã”, indicam.

A nota alarga a sua intenção para o impacto global da pandemia, observando que “nunca ninguém pensou que pudesse ter tantas e tão graves consequências para a humanidade”.

“Devemos entender a crise como um desafio à coragem criativa e à confiança crente. Desta crise temos de sair melhores”, apontam os bispos católicos.

A CEP dirige-se aos sacerdotes, aos diáconos, às pessoas consagradas e às famílias cristãs, encorajando todos a “renovar as promessas batismais para prosseguirem nos caminhos da reconciliação e da conversão”.

“A fé, a esperança e a caridade que nascem e renascem da Páscoa frutificam, quando nos tornam mais irmãos e cidadãos mais ativos para se realizar a justiça e a paz, o perdão e o amor”, realça a nota.

A Páscoa é a festa central dos cristãos e já no século II há notícia da sua celebração anual; tem as suas raízes na saída do Povo de Israel do Egito, relatada no livro bíblico do Êxodo, e estava ligada a um calendário lunar, não ao atual calendário solar de 12 meses: nos primeiros séculos, as Igrejas do Oriente celebravam a Páscoa como os judeus, no dia 14 do mês de Nisan, ao passo que as do Ocidente a celebravam sempre ao domingo.

O Concílio de Niceia, no ano 325, apresentou prescrições sobre o prazo dentro do qual se pode celebrar a Páscoa – o primeiro domingo depois da lua cheia que se segue ao equinócio da primavera (4 de abril, em 2021).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+