Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Religiosa portuguesa alerta para fome na Síria

02 fev, 2021 - 11:39 • Olímpia Mairos

O agravamento da crise económica e a pandemia de Covid-19 estão a deixar famílias em situação de grande pobreza.

A+ / A-

“Há já quem passe fome. A situação está cada vez pior, as pessoas estão quase a passar fome, há já [mesmo] quem passe fome.” O alerta é lançado pela irmã Maria Lúcia Ferreira, da Congregação das Monjas da Unidade de Antioquia, em declarações à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, em Lisboa.

De acordo com a religiosa, na base das dificuldades que atingem várias famílias está a crise económica que se tem vindo a agravar na Síria de dia para dia, fruto não só de uma década de guerra, mas também das sanções económicas impostas ao regime de Bashar al Assad e as consequências também da pandemia do coronavírus.

“Tudo está cada vez mais caro” e assim “é muito difícil viver”, declara a irmã Myri, como é conhecida, ressaltando que a crise económica está a atingir toda a sociedade.

No relato enviado à fundação pontifícia, a religiosa dá conta de muito frequentes e prolongadas quebras no fornecimento de eletricidade, indicando ainda que é cada vez mais difícil encontrar combustíveis para os automóveis, mas também para o aquecimento das casas.

“A eletricidade, às vezes, passa 12 horas sem vir e quando vem, às vezes, é só por meia hora”, conta a irmã Myri, acrescentando que “também é muito difícil encontrar gasolina… As pessoas estão na fila à espera e não encontram”.

O mesmo se passa com o óleo para as pessoas se aquecerem. “É muito difícil. Tudo o que é carburantes é muito difícil [de encontrar], assim como, aqui na região, não há muita madeira”, explica a religiosa.

Também a irmã Annie Demerjian, da Congregação de Jesus e Maria, responsável há quase uma década pelas campanhas da Fundação AIS nas cidades de Aleppo e Damasco, em declarações ao secretariado britânico da fundação, refere que “as pessoas estão com fome, não têm o que comer”.

“O mundo começou a esquecer-se da Síria e isso é doloroso”, desabafa.

A Fundação AIS tem vindo a promover na Síria um trabalho humanitário, permitindo que famílias mais empobrecidas possam ter acesso a bens essenciais, como leite para as crianças, alimentos, medicamentos e acesso a cuidados de saúde e produtos de higiene pessoal.

Esta ajuda abrange atualmente 273 famílias em Aleppo e mais de uma centena em Damasco, a capital da Síria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+