Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Combate à pobreza

Instituições sociais à espera da “célebre bazuca” europeia

24 jan, 2021 - 08:50 • Henrique Cunha

Presidente da Obra Diocesana de Promoção Social do Porto alerta que a pandemia agravou a situação financeira das instituições particulares de solidariedade social (IPSS) e o Governo tem que reforçar os apoios em tempo de crise.

A+ / A-

“Esperamos que a célebre bazuca chegue também às instituições de solidariedade social para um reforço das comparticipações do Estado” ao setor social, afirma o presidente da Obra Diocesana de Promoção Social do Porto.

Manuel Moreira lembra, em declarações à Renascença, que o equilíbrio económico financeiro das IPSS já precisava de particular atenção antes da pandemia. Entende, por isso, que durante este ano o Governo tem de melhorar as comparticipações do Estado.

“Esperamos que a Segurança Social e, neste caso, o Estado através do Governo dê mais apoio às IPSS”, afirma o responsável, lembrando que a “pandemia naturalmente agravou a situação, uma vez que as instituições do setor social “já precisavam de ajuda para fazer o seu equilíbrio económico-financeiro, mesmo antes da pandemia”.

“Precisamos muito desse apoio a estas IPSS. É fundamental haver mais apoios de carácter financeiro, uma vez que esta instituição é sobretudo para famílias pobres, para famílias desprotegidas da sociedade”, reforça Manuel Moreira em declarações à Renascença.

O presidente da Obra Diocesana de Promoção Social fala “em particular dos que estão nos nossos 12 centros sociais que estão nos bairros sociais do Porto”, que esperam agora “por estes apoios que vêm da União Europeia – a célebre bazuca – [o Governo] a faça chegar também às IPSS para o apoio, para o reforço das comparticipações do Estado através da Segurança Social, às Instituições de Solidariedade Social, como é o caso da Obra Diocesana de Promoção Social que é a instituição maior aqui da região norte e das maiores de Portugal”.

O presidente da Obra Diocesana de Promoção Social lembra que a instituição foi obrigada, em 2020, a um investimento suplementar para poder continuar a prestar serviço aos seus cerca de dois mil utentes em condições de segurança.

Nas palavras de Manuel Moreira, tratou-se de “um grande investimento de cerca de 52 mil euros em equipamentos de proteção individual”, apesar “das ofertas que também tivemos”.

“Graças a Deus da parte de muitas instituições da cidade do Porto, da Câmara do Porto, de juntas de freguesia, da própria União das Instituições Particulares de Solidariedade Social, do Banco Alimentar, da Universidade do Porto, da Escola Superior de Enfermagem Santa Maria, e até de empresas, tivemos várias ofertas de equipamentos de proteção individual, mas isso não dispensou a necessidade de fazermos esse investimento de 52 mil euros”, sublinha Manuel Moreira.

Apesar de todas as medidas de segurança, a instituição também se viu confrontada com os efeitos da pandemia, havendo a registar muitas infeções entre os seus colaboradores e utentes.

De acordo com o presidente da Obra Diocesana, até ao momento, “dos 370 colaboradores, 70 foram infetados com a Covid-19, e entre os mais de dois mil utentes registamos 79 infeções. 57 utentes seniores e 22 crianças”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+