Tempo
|
A+ / A-

​​Bispo de Bragança-Miranda escreve aos diocesanos manifestando solidariedade e proximidade

19 mar, 2020 - 13:18 • Olímpia Mairos

“As determinações e decisões tomadas pelas autoridades sanitárias e civis reforçam o combate nesta grande luta pela defesa e promoção do singular dom da vida”, diz D. José Cordeiro.

A+ / A-

O bispo da Diocese de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, escreveu uma carta aos seus diocesanos, esta quinta-feira, reafirmando a necessidade em seguir as determinações das “autoridades sanitárias e civis”, assegurando também que a diocese está “solidária e próxima de cada pessoa”.

“De repente, tudo mudou! Não temos memória de nada assim! A pandemia da Covid-19 está a mudar tudo rapidamente e até a pôr tudo em causa. Mudam-se as rotinas, mudam-se as vontades, muda-se o estilo e a regra de vida. Afinal acontece a conversão humana, que é feita de mudança, e que por esta oportunidade repentina se acerte a autêntica conversão do coração”, escreve D. José Cordeiro.

O prelado considera que “as determinações e decisões tomadas pelas autoridades sanitárias e civis reforçam o combate nesta grande luta pela defesa e promoção do singular dom da vida” e reforça a necessidade do empenho de todos “para barrar o contágio da epidemia viral, o coronavírus, Covid”.

D. José Cordeiro faz referência ao ano da Eucaristia que a diocese está a viver, para explicar aos fiéis a provocação “pelo jejum da celebração comunitária do Bem maior da Igreja, para evitar o mal maior da pandemia”.

“Pois é, ter fé não significa estar isentos de dúvidas, nem sequer caminhar à luz da visão, nem viver sem dificuldades e provas. Não tenhamos medo das crises de fé e de esperança”, exorta o bispo de Bragança-Miranda.

O bispo transmontano, citando Cànopi, OSB, reforça ainda a necessidade da comunhão neste tempo, dizendo que “a autenticidade de filhos de Deus induz-nos e compromete-nos a ‘nada fazer, dizer, pensar que quebre a unidade fraterna; tudo fazer, suportar, sofrer para promover a comunhão’”.

Na carta aos diocesanos D. José Cordeiro expressa a “mais profunda gratidão” por “todos os que agem na caridade e na cidadania responsável”: agentes pastorais, instituições particulares de solidariedade social, escolas, médicos, enfermeiros e todos os profissionais de saúde.

O bispo de Bragança-Miranda agradece ainda “pela colaboração recíproca com as instituições autárquicas, civis, académicas, das forças da segurança, da solidariedade social, da comunicação social e por todas as pessoas que buscam o Bem, a Justiça, a Paz e a Verdade na sua vida”.

“Rezamos por todos e cada um, especialmente pelas pessoas doentes, pelos mais velhos e todas as pessoas que vivem no sofrimento, na solidão, no isolamento, na prisão, na deficiência, na ignorância, na pobreza, na depressão, no stress, no desemprego e na migração”, assegura o bispo transmontano.

“Que ninguém se sinta só e abandonado. Estamos contigo, irmão e irmã! Deus não nos abandona. Ele está connosco!”, conclui D. José Cordeiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+