Tempo
|
A+ / A-

Visita à Estónia

Papa alerta para o perigo da confiança total no progresso tecnológico

25 set, 2018 - 10:34 • Aura Miguel com Ecclesia e Redação

O Papa encerra a viagem aos países bálticos com uma visita à comunidade católica da Estónia, cerca de 6 mil batizados que representam 0,5% da população.

A+ / A-
Papa alerta para o perigo da confiança total no progresso tecnológico
Papa alerta para o perigo da confiança total no progresso tecnológico

Veja também:


O Papa iniciou esta terça-feira uma visita de um dia à Estónia, país com elevada percentagem de indiferença religiosa, deixando alertas para a tentação de omnipotência humana nas “sociedades tecnocráticas”.

Francisco sustentou que colocar “toda a confiança no progresso tecnológico” como o único meio possível de desenvolvimento pode causar a “perda da capacidade de criar vínculos interpessoais, intergeracionais e interculturais”.

Perante a presidente da Estónia, Kersti Kaljulaid, que recebeu o Papa no aeroporto de Talin, Francisco evocou os “duros momentos de sofrimento e tribulação” da história deste país, que celebra o centenário da sua independência.

O Papa mostrou-se “muito feliz” por estar em Talin, a capital mais setentrional que visitou até hoje, apresentando uma reflexão centrada em duas palavras, “memória e fecundidade”.

“Ser terra de memória significa saber lembrar que o lugar que alcançastes atualmente se deve ao esforço, ao trabalho, ao espírito e à fé dos vossos pais”, declarou.

“Não há alienação pior do que experimentar que não se tem raízes, não se pertence a ninguém. Uma terra será fecunda, um povo dará frutos e será capaz de gerar o amanhã apenas na medida em que dá vida a relações de pertença entre os seus membros”, acrescentou.


A jornalista da Renascença Aura Miguel acompanha o Papa Francisco na sua Viagem Apostólica à Lituânia, Letónia e Estónia com o apoio da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+