Tempo
|
A+ / A-

Évora saúda "regresso a casa" do "amigo padre Senra"

26 jun, 2018 - 11:11 • Rosário Silva

Desde 2014 como bispo auxiliar da Arquidiocese de Braga, D. Francisco regressa a uma diocese que “conhece muito bem tal como nós também o conhecemos”, diz número dois da diocese.

A+ / A-

Na Arquidiocese de Évora, o nome do novo arcebispo há muito que era falado. Homem dinâmico, empreendedor e com obra feita na diocese, D. Francisco Senra Coelho, está de regresso à sua “casa”.

A notícia da nomeação de D. Francisco Senra Coelho como bispo de Évora foi bem acolhida pelo número dois da diocese. À Renascença, o cónego Eduardo Pereira da Silva saúda o prelado a quem chama de “nosso amigo padre Senra”.

Desde 2014 como bispo auxiliar da Arquidiocese de Braga, D. Francisco regressa a uma diocese que “conhece muito bem tal como nós também o conhecemos”.

Dois fatores que na perspetiva do Vigário Geral podem ser positivos: “Pode ser que haja maior possibilidade de levar por diante o trabalho apostólico na diocese uma vez que ele sabe as dificuldades que existem”.

As maiores dificuldades, salienta o cónego, são, em primeiro lugar “os recursos humanos”. De resto, é uma realidade que não é exclusiva da diocese alentejana e, por cá, avança Eduardo Pereira da Silva, as “pessoas têm muita boa vontade para trabalhar”, e é por isso que se encara o futuro “com esperança”.

“Temos que nos organizar e com o esforço do novo arcebispo podemos ser uma presença viva da igreja aqui na região”, reforça o Vigário Geral.

“Esperamos que ele venha animado do espírito que tinha cá, um espírito apostólico, e já agora com a experiência de bispo na região norte, possa também aqui continuar nesse trabalho que é de todos os tempos e para todas as pessoas”, conclui o numero dois da Arquidiocese de Évora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+