Tempo
|
A+ / A-

Antigo cardeal arcebispo de Washington suspeito de abusos sexuais

20 jun, 2018 - 17:14

Theodore McCarrick foi arcebispo de Washington entre 2000 e 2006. Foi suspenso de exercer o seu ministério enquanto decorre a investigação.

A+ / A-

A diocese de Nova Iorque anunciou esta quarta-feira que está a ser investigada uma alegação credível de abusos sexuais praticados pelo cardeal Theodore McCarrick, antigo arcebispo de Washington.

Segundo a declaração assinada pelo cardeal Timothy Dolan, de Nova Iorque, trata-se de apenas uma alegação, que data de há quase 50 anos e os abusos teriam sido praticados sobre um adolescente. O sexo do queixoso não foi revelado.

Antes de ser nomeado bispo, McCarrick era padre em Nova Iorque e é lá que terá acontecido o alegado caso de abuso.

Quando a diocese foi informada da suspeita, explica Dolan, o caso foi de imediato entregue às autoridades policiais, que levaram a cabo uma “investigação rigorosa”. Essa investigação concluiu que a alegação era “credível e substanciada”.

O cardeal McCarrick tem acompanhado a investigação e colaborado, embora mantenha a sua inocência. Todavia, enquanto os trabalhos não forem concluídos o Papa Francisco suspendeu-o de atividade pastoral pública.

McCarrick já reagiu publicamente, insistindo na sua inocência, mas aceitando a decisão do Vaticano. “Embora chocado pelo relatório, e mantendo a minha inocência, considerei essencial que as acusações sejam participadas à polícia e rigorosamente investigadas por uma agência independente”, diz.

“Compreendo que esta notícia seja um choque para os meus muitos amigos, familiares e pessoas que tive a honra de servir nos meus sessenta anos de sacerdócio”.

O cardeal diz que não tem qualquer memória do alegado abuso. “Acredito na minha inocência e lamento a dor por que passou a pessoa que fez a acusação, bem como o escândalo que estas acusações causam”, afirma ainda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VICTOR MARQUES
    26 jun, 2018 Matosinhos 09:26
    Este e muitos outros casos frequentes, levantam sempre a mesma questão: a contranaturalidade do clericato!

Destaques V+