Tempo
|
A+ / A-

Papa a caminho de Myanmar e Bangladesh

26 nov, 2017 - 23:06 • Aura Miguel

Francisco visita dois países extremamente pobres em que a presença de católicos é altamente minoritária.

A+ / A-

“Não vejo a hora de ir ao vosso encontro”, disse o Papa a Myanmar e Bangladesh, os dois países que Francisco visita nestes dias.

É uma viagem às periferias do mundo, a dois países extremamente pobres, tão pobres, que nem garantem a transmissão em directo das principais etapas desta visita histórica.

Em Myanmar (antiga Birmânia), com 91% de budistas, os católicos são apenas 1,2% e no Bangladesh, com 98% de muçulmanos, a percentagem dos católicos ainda é menor, com apenas 0,2%.

Em ambos os países, o cristianismo chegou através dos portugueses do séc. XVII, mas a sua presença está circunscrita a algumas aldeias.

Nestas terras, a vida das minorias religiosas não é fácil. Talvez por isso, a agenda do Papa inclui, em ambos os países, significativos encontros com os jovens católicos.

Esta preferência de Francisco pelos “pequeninos” e “esquecidos” também trouxe dores de cabeça às autoridades locais. Não só com a precariedade das comunicações, mas também em Myanmar com as dificuldades em conceder os vistos de entrada a jornalistas estrangeiros.

O regime militar só autorizou a entrada aos jornalistas acreditados pelo Vaticano, mas não aceitou qualquer tipo de transmissão em directo dos encontros mais significativos relacionados com as autoridades e os líderes budistas.

No “olho do furacão” está o drama da minoria rohingya, expulsos violentamente do seu território de origem, para o país vizinho, Bangladesh, onde se encontram em condições deploráveis e espalhados por vários campos de refugiados. Uma forte pressão vaticana terá levado nestes dias o governo a aceitar o seu regresso e o próprio general, chefe do regime, aceitou um encontro privado com o Papa, que inicialmente não estava previsto.

Protagonista destes esforços de diálogo é também o arcebispo de Yangon, o cardeal Charles Bo, que gosta sempre de recordar a ligação da sua identidade católica á fé dos portugueses.

A viagem decorre entre 26 de Novembro e 2 de Dezembro.

A Renascença com o Papa em Myanmar e no Bangladesh. Apoio: Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • kika
    27 nov, 2017 Planeta Terra 00:18
    Esta viagem na minha modesta opinião para além de ser inútil é extremamente perigosa. Mas quem sou eu para compreender estas diplomacias .
  • Eusébio Ferreira
    26 nov, 2017 Mortágua 23:25
    Tomara ir consigo

Destaques V+