Tempo
|
A+ / A-

Igreja desafia presidente das Filipinas após vaga de mortes extrajudiciais

09 ago, 2016 - 19:06 • Filipe d'Avillez

Cerca de 800 pessoas suspeitas de estarem ligadas ao tráfico de droga foram já assassinadas durante o mandato de Duterte. Um bispo desafiou o Presidente numa homilia e afirma estar pronto a morrer também.

A+ / A-

A Igreja das Filipinas desafiou publicamente o Presidente recém-eleito, Rodrigo Duterte, por uma vaga de assassinatos extrajudiciais que assolou o país desde que tomou posse.

Duterte, que durante o seu mandato como autarca de Manila era conhecido como “o castigador” foi eleito em grande parte devido às suas promessas de declarar guerra ao mundo do crime e do tráfego, mas existem suspeitas de que o está a fazer às margens da lei.

O Presidente defende uma política de “atirar a matar” sobre qualquer suspeito de ligação à droga, caso resista à detenção. Desde que tomou posse há registo de cerca de 800 assassinatos de alegados criminosos, com muitos corpos a serem encontrados de mãos atadas e abandonados em locais abandonados.

Numa recente homilia, lida em todas as igrejas da sua diocese, o arcebispo Socrates Villegas, da diocese de Lingayen-Dagupan e presidente da Conferência Episcopal, desafiou directamente o Presidente.

“Chegámos ao ponto em que já não me interessa o que me pode acontecer. Estou pronto a morrer. Uma parte de mim já morreu centenas de vezes, em cada uma das mortes a que assisti nestas últimas semanas. Que é mais uma morte para mim?... A barbárie não terá a última palavra. A razão prevalecerá. A humanidade vencerá”.

O arcebispo antecipa a reacção do Presidente, perguntando: “Vai-me matar uma e outra vez nas redes sociais por dizer isto?”

Villegas realça que “tanto os culpados como os inocentes são humanos. A humanidade em mim sangra cada vez que outro ser humano é morto. A humanidade em mim chora cada vez que vejo um pai ou uma criança de luto por um ente querido que morto num passeio ou atirado para uma berma de mãos atadas e com a boca tapada com fita adesiva. A humanidade em mim está de luto por seres humanos que não se importam de matar criminosos, pensando que os seus assassinatos irão diminuir o mal no mundo. Choro pelo assassino e pelo assassinado. Tornamo-nos menos humanos quando matamos os nossos irmãos”.

A desculpa do combate à droga não convence os bispos. “De uma geração de drogados vamo-nos tornar uma geração de assassinos de rua?”, pergunta Villegas.

A complacência de Duterte para com mortes extrajudiciais já vem de longe. Durante o seu mandato à frente da cidade de Manila, o actual Chefe de Estado tolerou ou encorajou mesmo o assassinato de cerca de mil alegados criminosos ligados ao mundo da droga, havendo suspeitas de estar envolvido pessoalmente num esquadrão de morte, segundo a revista “America”, dos jesuítas americanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+