Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Novos padres de Bragança ​querem ser os sacerdotes "de que as pessoas precisam”

08 jul, 2016 - 23:31

Bruno Miguel e Ivo Fernandes vão ser ordenados este domingo. Dizem aos jovens para não terem medo de seguir a sua vocação.

A+ / A-

A Diocese de Bragança-Miranda vai ter dois novos padres. Os jovens vão ser ordenados este domingo e sonham um sacerdócio feito de proximidade com as pessoas, de misericórdia e de compreensão.

Por terras do nordeste transmontano, onde neste momento os campos estão em sesta e as serras se vestem de aridez, a Renascença encontrou dois jovens cheios de vida, de sonhos e de projectos para a doação no serviço a uma Igreja maioritariamente idosa, com o coração pronto a acolher sobretudo sementes de esperança.

Bruno Miguel, natural de Rebordelo, Vinhais, agora com 28 anos, decidiu ir para o seminário muito jovem. Refere que, naquela altura, “poderia não ser a decisão a tomar” no futuro. Mas, tal como um fruto, viu a sua decisão “amadurecida ao longo dos anos”. Depois de ter completado o 12º ano, foi para o seminário de Viseu, seguindo depois para o interdiocesano de S. José, em Braga.

Foi uma caminhada feliz, mas também com os seus momentos “dolorosos”. Agora, à distância, Bruno conta, com os olhos a brilhar e algum embaraço, o momento da chegada a Viseu, para iniciar o curso de Teologia.

“Foi o reitor do seminário de Bragança que nos foi lá levar. Quando se foi despedir de nós, foi ao meu quarto e eu estava a arrumar as coisas. Ainda não tinha arrumado quase nada, então disse-lhe: ‘Vai para cima [Bragança]?’. E ele: ‘sim, sim’. E eu disse: ‘então espere aí que eu também vou’.”

E acrescenta: “Foi aquele medo. Estava habituadinho em Bragança, no seminário, e o ir para um seminário diferente, maior, com gente que não conhecia, de quatro dioceses… Eu estava habituadinho ao conforto do meu larzinho e, depois, ir para ali, para aquele mundo, foi, foi… Mas não me fez desistir, claro, não vim embora!”.

Também para Ivo Fernandes, um jovem de 24 anos, natural de Cortiços, Macedo de Cavaleiros, a “decisão de ser padre aconteceu ao longo de um caminho”. Mesmo a entrada para o seminário de Viseu, depois de concluído o 12º ano, “foi na atitude de reflexão”. Só a partir do 1º ano de Teologia é que Ivo possibilita a “ideia de chegar ao sacerdócio”, mas sempre num “caminhar progressivo, contínuo, de oração, amadurecimento espiritual e humano”.

“Não é simplesmente uma decisão nossa. É algo que vai crescendo dentro de nós, que não é só fruto nosso, mas é também a acção do Espírito Santo que se reflete em nós. E temos que compreender que não somos nós a decidir o caminho, mas que é algo que nos interpela pessoal e profundamente”, explica.

Os pais dos jovens sempre apoiaram a decisão de irem para o seminário. Já os amigos, uns “apoiaram”, outros ficaram “surpresos”, e outros “duvidaram, até que viram concluído o itinerário”, referem Bruno e Ivo.

Agora, com a ordenação à porta, já sentem saudades do seminário, “da boa disposição”, das “pequenas zangas que também havia” e que os “faziam crescer”; saudades dos “convívios”, dos “colegas”, e da “vida em comunidade”. E até mesmo da “regra que havia no seminário”, diz Bruno, com emoção.

“Futuramente estaremos a viver sozinhos, completamente independentes, com as nossas horas, as nossas marcações. No seminário tínhamos um horário rígido, seguindo-o detalhadamente…. Era isto, depois isto… É isto que vou notar que me falta. Isto e o estarmos em comunidade. Crescemos mais em comunidade”, acrescenta Ivo.

Foi muito importante “a amizade e a união que se criou com as várias dioceses”, em vista de “presbitério futuro”, para a construção da “Igreja universal”.

“Senti que tive um grande apoio da minha diocese de Bragança-Miranda. Mas também senti um grande apoio por parte das outras dioceses, para onde estávamos a ir, e dos nossos colegas dessas dioceses”, conclui Ivo.

O modelo de sacerdote que se foi delineado em Bruno e Ivo é fruto de tantos sacerdotes que estiveram e estão presentes nas suas vidas, desde “aquele que é modelo pela sua vida espiritual” ao que marca “pelo seu convívio”, ou aquele que é “mais carinhoso com as crianças ou com os idosos”.

“Temos sempre os nossos padres de referência. Eu não tenho só um. Gostaria de ser como eles. Gostaria de ir buscar aquela qualidade daquele padre… e tentar ser assim… Só que, claro, o futuro a Deus pertence. Espero ser assim. Espero que Deus me dê força para que seja assim”, diz Bruno.

Sobre o futuro ministério muito próximo, os jovens sonham um sacerdócio feito de proximidade com as pessoas, de misericórdia e de compreensão.

“Quero seguir o Papa Francisco na proximidade com as pessoas. Francisco é um Papa misericordioso, compreensivo. É um autêntico vigário de Cristo”, explica Ivo. “Quero ser o padre de que as pessoas precisam, não aquilo que esperam. Um padre próximo, que esteja quando as pessoas precisam e quando não precisam, nos bons e nos maus momentos”, conclui.

Felizes com a opção de vida, Bruno e Ivo não têm receio de falar do sacerdócio e apelar a outros jovens que se deixem interpelar por Cristo. Bruno conta-nos uma experiência sua.

“Este ano tive a oportunidade de visitar algumas escolas, com o pré-seminário da diocese, e estivemos com jovens que nunca tinham ouvido falar do seminário. Não sabiam o que era o seminário”.

E prossegue: “Qualquer jovem, de qualquer idade, que tenha este pequeno bichinho para vir ver o seminário, que não tenha medo, que arrisque. Depois, Deus encarrega-se do resto. Questionamos muitas vezes se temos que ir para o curso A, B ou C, mas não questionamos a nossa vocação. E é essa que, muitas vezes, nos traz a felicidade para o futuro”, explica Bruno.

Para Ivo, é importante que os jovens “sigam o coração”. E se sentirem chamados, que “respondam a esse apelo, porque o apelo de Deus é o apelo mais importante da nossa vida. Importa seguir o coração e não se incomodar de serem julgados”.

‘Vinde e vede’, conclui Bruno, com um sorriso muito sereno.

Bruno e Ivo vão ser ordenados sacerdotes, este domingo, pelo bispo da diocese, D. José Cordeiro, na catedral de Bragança.

O prelado considera “uma graça grande poder impor as mãos a estes jovens escolhidos para o ministério do Evangelho, dos Sacramentos e da Caridade”, sublinhando que “Jesus Cristo continua a chamar alguns jovens, também na diocese de Bragança-Miranda, para serem pastores segundo o Seu Coração”.

As ordenações sacerdotais na diocese de Bragança-Miranda vão ser tema do programa "Princípio e Fim", na Renascença, no domingo, às 23h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joel
    15 jul, 2016 Magueija 08:37
    Vinde para a Diocese de Lamego, aqui encheis bem os bolsos!
  • pa
    09 jul, 2016 lx 11:50
    Boa sorte para este novos sacerdotes.

Destaques V+