Tempo
|
A+ / A-

Depois de Lampedusa, Lesbos. Papa volta a visitar migrantes

05 abr, 2016 - 14:45 • Aura Miguel

15 de Abril é a data avançada para a visita à ilha grega de Lesbos.

A+ / A-

O porta-voz do Vaticano afirmou esta terça-feira que o Papa Francisco está a estudar a possibilidade de visitar a ilha grega de Lesbos, ponto de acolhimento de muitos dos migrantes e refugiados que tentam chegar à Europa através do Mediterrâneo. Vários meios de comunicação apontam a data de 15 de Abril como data provável para a visita.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, confirmou à agência de notícias italiana ANSA que este é um assunto “de que se está a falar” e que há “contactos a decorrer”. “Não desminto as notícias, mas de momento não posso acrescentar nada porque não há decisões, datas ou programas definidos”, acrescentou Lombardi.

A notícia partiu do Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa grega, acolhendo assim o desejo do próprio Papa.

Após ter ido a Lampedusa, nos primeiros dias do seu pontificado, Francisco regressa assim ao coração do Mediterrâneo. A crise dos migrantes e refugiados agravou-se desde a visita de Francisco a Lampedusa, em 2013. Desde então, o drama destas pessoas tem sido tema habitual nas intervenções do Papa.

A visita poderá ter um só dia, à semelhança das deslocações que Francisco tem feito uma vez por mês, no âmbito do Jubileu da Misericórdia. Francisco tem feito visitas rápidas a lugares de sofrimento – sempre à sexta-feira – em Roma e nos arredores.

Fontes ortodoxas gregas adiantam que o Papa vai ser recebido pelo arcebispo ortodoxo de Atenas, Ieronimus II, o patriarca de Constantinopla Bartolomeu II, o Presidente da República grego, Prokopios Pavlopoulos, e o primeiro-ministro, Alexis Tsipras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+