Tempo
|
A+ / A-

Edgar Silva lembra que Durão vota em Marcelo

10 jan, 2016 - 22:42

Candidato lembra que o antigo presidente da Comissão Europeia esteve envolvido no início da guerra do Iraque.

A+ / A-

O candidato presidencial apoiado pelo PCP Edgar Silva salientou que o antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso, amigo do ex-presidente norte-americano George W. Bush e da chanceler alemão, Angela Merkel, também vota em Marcelo Rebelo de Sousa.

"Já se sabia que Passos [Coelho], [Paulo] Portas e Cavaco [Silva] juntarão o seu voto no caldeirão de Marcelo. Agora, ficámos a saber que Durão Barroso - aquele mesmo que, abraçando Bush, agrediu o Iraque, o mesmo que, na Comissão Europeia, se uniu a Merkel para esmagar os interesses nacionais - vê em Marcelo o modelo perfeito de Presidente", afirmou, em comício no Porto.

Num Pavilhão Rosa Mota com perto de quatro mil apoiantes, o antigo deputado regional madeirense acusou o ex-presidente do PSD e comentador político, Rebelo de Sousa, "bem pode disfarçar os seus apoios, proclamar a sua independência, afirmar incómodo com o PSD e Passos Coelho", mas, "ainda há poucos meses", os "apoiou abertamente nas legislativas".

"Dia 24 [de Janeiro], terão a resposta dos trabalhadores, dos democratas, dos patriotas de todos os portugueses que não querem ver seu voto misturado com Portas, Passos, Cavaco ou Durão Barroso", prognosticou.

Incentivado pela palavra de ordem herdada da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta PCP e "Verdes" - "Edgar Avança, Com Toda a Confiança!" - o ex-padre católico apelou à participação eleitoral dos presentes no também conhecido como Palácio de Cristal.

"Marcelo será derrotado porque é necessário repor em Belém quem cumpra e faça cumprir a Constituição, quem não abra espaço a que a política agora derrotada de PSD e CDS recupere o espaço perdido em 4 de Outubro", asseverou, antecipando uma "enxurrada" de "pretensos argumentos, comentários e comentadores, inquéritos e sondagens, apontando para determinismos ou fatalismos quanto ao candidato apoiado pela direita".

Segundo Edgar Silva, a sua candidatura "é a dos que não aceitam a ditadura dos `eurocratas`, dos que não se resignam aos déspotas" que querem Portugal como "serviçal da obsessão do défice e da demais devastadora `eurocracia`".

"É tempo de assegurar na Presidência da República a presença de quem coloque à frente dos interesses dos mercados, das agências de rating ou do euro os interesses de Portugal e do povo português, do seu direito a decidir, por si próprio, do seu futuro colectivo", defendeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 13 jan, 2016 20:50
    O melhor é voltares para padre
  • Vasco
    11 jan, 2016 Santarém 21:52
    Conversa de um candidato a futuro jardineiro do Palácio de Belém!

Destaques V+