Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Casa Comum

"Temo um aumento da imigração ilegal. Ou vamos ter problemas de mão de obra"

06 jun, 2024 - 00:03 • José Pedro Frazão

A socialista Mariana Vieira da Silva e o social-democrata Duarte Pacheco debateram o novo Plano de Ação para as Migrações, apresentado pelo Governo. Os comentadores do programa Casa Comum alertam para a falta de meios dos consulados, com a deputada do PS a deixar alertas sobre o possível aumento da imigração irregular.

A+ / A-
"Temo um aumento da imigração ilegal. Ou vamos ter problemas de mão de obra"
"Temo um aumento da imigração ilegal. Ou vamos ter problemas de mão de obra"

A socialista Mariana Vieira da Silva teme uma vaga de imigração ilegal na sequência do Plano de Ação para as Migrações aprovado pelo Governo, que acaba com a manifestação de interesse e trava a entrada de imigrantes sem visto de trabalho. No programa Casa Comum, da Renascença, a antiga ministra da Presidência admite até que o plano possa levar a falta de mão de obra migrante necessária à economia do país .

"O Governo também diz que o país precisa de migrantes por dimensões demográficas, económicas e também sociais e humanitárias. A questão é que a economia não funciona assim. Nenhuma empresa pode estar um tempo à espera para fazer um contrato-promessa para esperar que um consulado dê um visto para o trabalhador vir e se regularizar. Não é assim que a economia funciona em nenhum país", critica a ex-ministra do PS na Renascença.

Mariana Vieira da Silva admite que, sem o instrumento da manifestação de vontade, as entradas de migrantes vão sempre acontecer, independentemente da cobertura legal, tendo em conta um quadro de "economia pujante" e um mercado de trabalho "em pleno emprego".

"Ou a medida corre exatamente como o Governo pretende e temos um problema, porque o país precisa de mão de obra e o tipo de entrada com os vistos de trabalho que existe não é suficiente, ou isto não corre exatamente como o Governo pretende. E então ficamos pior do que estamos. porque se não correr como o Governo pretende, significa que as entradas vêm na mesma", argumenta a deputada do PS.

A dirigente socialista reconhece a preocupação do Governo com a necessidade de migrantes por razões demográficas, económicas, sociais e humanitárias, mas admite que um cenário possível da aplicação do novo Plano de Ação para as Migrações pode passar por um "constrangimento à atividade económica por via da falta de mão de obra".

Consulados sem meios

O plano apresentado pelo Governo implica que os pedidos de visto sejam encaminhados para a rede consular. Para o social-democrata Duarte Pacheco, os consulados não estão em condições para lidar com as sobrecargas administrativas que o plano traz para esta rede diplomática.

"Basta visitar alguns dos consulados que não conseguem passar os vistos normais, de turista, para as pessoas que nos querem visitar, porque não têm mão de obra. As coisas são tão estranhas porque este é um serviço que normalmente se paga a si próprio, porque as pessoas pagam o visto e esse pagamento é mais do que suficiente para pagar o ordenado a alguém que esteja lá para os atribuir. Mas as coisas não têm funcionado", salienta Duarte Pacheco no programa Casa Comum.

Noutro plano, a deputada do PS questiona ainda o anúncio deste plano em plena campanha eleitoral para as europeias marcada pelo debate sobre imigração.

"O calendário era dispensável porque quando nós jogamos uma cartada destas, a uma semana das eleições, dificilmente pode terá sido por necessidade ou por esquecimento. Foi a procura de marcar num tema onde os dois maiores partidos ganham pouco a utilizá-lo desta maneira", lamenta Mariana Vieira da Silva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+