A+ / A-

Debate OE2024

Aumento do IUC, o "dói-dói" do Governo ou a "mentira" da IL

31 out, 2023 - 12:48 • Susana Madureira Martins , Tomás Anjinho Chagas , Manuela Pires

Aceso debate entre a Iniciativa Liberal e o ministro das Finanças por causa do Imposto Único de Circulação. Fernando Medina desmente que medida signifique um aumento progressivo de 1025%. Líder parlamentar liberal diz que tema faz "dói-dói" ao Governo.

A+ / A-

O aumento do Imposto Único de Circulação a provocar, de novo, uma troca de galhardetes entre a Iniciativa Liberal (IL) e o ministro das Finanças. O líder parlamentar dos liberais a acusar o Governo de "dupla ou tripla tributação" para quem compra carro e Fernando Medina a responder que se trata de "propaganda" e "mentira".

O líder parlamentar da IL a carregar nas tintas sobre o aumento do IUC. Rodrigo Saraiva a referir que "quem compra o carro paga ISP, paga imposto de selo se pedir empréstimo, paga IVA e IUC a cada ano" e na sequência desta intervenção, Medina acusou o toque.

O ministro das Finanças referiu "toda a mentira que a IL desenvolveu sobre o IUC", na sequência de um aumento de 25 euros num ano. Trata-se de "propaganda na base da mentira do início ao fim, da mentira de um aumento de 1025%".

Ficou a acusação de Medina que a IL omite que "não só isso não está previsto na legislação, mas omitindo que, com uma cláusula de salvaguarda, isso demoraria 29 anos a atingir. Estaríamos no ano de 2053", defendeu-se Medina.

Com ironia, o ministro das Finanças a concluir que esta "mentira só tem um grande benefício", ou seja, "quem quer assustar as pessoas sobre um aumento até 2053 é porque não só não tem nada a dizer sobre a realidade do presente como verdadeiramente espera até 2053 estar na oposição".

Na réplica, Rodrigo Saraiva a salientar que neste debate do OE "alguns partidos" referiram o aumento deste imposto, "mas quem veio mesmo muito prepocupado com a questão do IUC, que era tão insignificante, foi mesmo o primeiro-ministro e o senhor ministro das finanças". Conclusão do líder parlamentar dos liberais: "Afinal fez-vos dói-dói, não foi?".

Por responder ficaram as questões do dirigente liberal ao ministro das Finanças sobre as isenções fiscais dos partidos. "Quem não paga impostos? Os partidos políticos. Compram carro, imóveis e não pagam imposto", concluiu Saraiva.

Medina concentrou no aumento do IUC as respostas à IL e não deu troco ao desafio sobre "quando faz uma reforma para termos um sistema fiscal simples" ou "qual é o valor da receita fiscal que perde o Estado com estas isenções que os partidos políticos têm?"

Rodrigo Saraiva referiu ainda que "não há necessidade de fazer defesa da honra", perante as acusações de Medina,referindo que "não é um governante socialista que vem dizer que fazemos mentira".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Correto
    31 out, 2023 Paços 14:09
    Por causa do aumento do IUC, uma coisa vos garanto: O Medina a mim nunca mais me apanha! É o Medina e o Assis!

Destaques V+