A+ / A-

BE repudia "ataque ignóbil" a Guterres e propõe que parlamento lhe manifeste solidariedade

25 out, 2023 - 19:20 • Lusa

O BE sugere ainda que a Assembleia da República peça a Israel para "não barrar a entrada de representantes e funcionários da ONU e a não vedar o seu acesso a Gaza e à Cisjordânia".

A+ / A-

O BE repudiou esta quarta-feira o "ataque ignóbil" contra o secretário-geral da ONU e saudou a sua coragem ao apelar a um cessar-fogo e ao respeito pelo direito internacional, propondo que o parlamento lhe manifeste solidariedade.

Em declarações aos jornalistas no parlamento, o líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, criticou "o ataque ignóbil que está a ser feito contra António Guterres" e manifestou "toda a solidariedade" para com o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Acreditamos que, neste momento, é essencial, do ponto de vista da política externa, o Estado português declarar apoio à Carta das Nações Unidas, à ONU, a António Guterres", referiu.

O BE apresentou um projeto de voto de solidariedade para com o secretário-geral da ONU em que se lê que, "apesar de não reclamar nada mais do que o fim da violência sobre civis, apesar de não exigir nada mais do que a cessação de crimes de guerra, António Guterres tem sido violentamente atacado".

Para o BE, "há momentos em que exigir a paz e o respeito pelo direito internacional é um exercício de coragem, em que exigir ajuda humanitária e o cessar-fogo é um exercício de coragem".

"António Guterres tem tido essa coragem. Merece a nossa solidariedade perante os ataques violentos de que tem sido alvo por parte do Governo de Israel", lê-se no projeto de voto.

O partido propõe que o parlamento se solidarize com António Guterres, "repudiando os ataques de que tem sido alvo por parte de Israel", e sublinhe a "necessidade de um cessar-fogo na região, de acesso à ajuda humanitária e de condenação dos crimes de guerra".

O BE sugere ainda que a Assembleia da República peça a Israel para "não barrar a entrada de representantes e funcionários da ONU e a não vedar o seu acesso a Gaza e à Cisjordânia".

Nas declarações aos jornalistas, Pedro Filipe Soares disse ter ficado "chocado" que dois partidos parlamentares - referindo-se ao Chega e à IL - tenham vindo "colocar-se contra a ONU e contra António Guterres", salientando que, até agora, o parlamento tem sido "sempre unânime na subscrição da Carta das Nações Unidas".

"Se é uma questão de política interna, é incompreensível, porque não se deve misturar coisas que estão em patamares diferentes. Se é uma escolha estrutural no que toca ao relacionamento com a ONU, com a Carta das Nações Unidas, para nós é deveras preocupante", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    25 out, 2023 Lisboa 18:26
    O Bloco de Esquerda tem toda a razão. E é bom ver que o BE sabe separar as águas (pois as divergências entre BE e PS são bem conhecidas) e apoiar Guterres quando este tem que ser apoiado. Terão o meu voto nas próximas eleições.

Destaques V+