Tempo
|
A+ / A-

PSD exige demissão de Galamba ainda hoje

06 jun, 2023 - 17:54 • Tomás Anjinho Chagas , com redação

Ultima acontece depois de o secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro contrariar versão de João Galamba sobre aconselhamento de contacto do SIS.

A+ / A-

O PSD diz que o primeiro-ministro, António Costa, tem até ao final do dia para demitir João Galamba ou então demonstra que não leva o país a sério.

Depois da audição do secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro, António Mendonça Mendes, que relatou uma versão diferente da do ministro das infraestruturas, João Galamba, o maior partido da oposição fala numa mentira que tem de ser esclarecida-

Hugo Soares, secretário-geral do PSD, aumenta a pressão sobre o chefe de Governo.

“Se o ministro João Galamba não sair do Governo até ao final do dia de hoje, este é um primeiro-ministro de brincadeira, o primeiro-ministro está a brincar com o país, que decidiu entrar num conflito institucional com o Presidente da República para não exonerar um ministro que mente ao país e a uma comissão parlamentar de inquérito”, afirma Hugo Soares.

“A conclusão do dia de hoje é que o senhor primeiro-ministro tem até ao final do dia para demonstrar que quer continuar a chefiar o Governo e que é um primeiro-ministro com autoridade e é primeiro-ministro a sério, senão é primeiro-ministro de brincadeira”, desafia o secretário-geral do PSD.

O secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro confirmou esta terça-feira que falou com o ministro das Infraestruturas, João Galamba, mas garantiu que ninguém do Governo teve influência na forma como os serviços secretos agiram na recuperação do ex-adjunto de Galamba, Frederico Pinheiro.

"Sim, o sr. ministro ligou-me. Sim, eu atendi a chamada. Sim, o sr. ministro relatou-me os acontecimentos do ministério das Infraestruturas e estava muito preocupado com a informação classificada que estava no computador e com as entidades a quem tal facto deveria ser reportado. Não, o reporte aos Serviços de Informação da República não decorreu nem de nenhuma sugestão, orientação ou indicação da minha parte. Nem da parte de nenhum membro do Governo", garante António Mendonça Mendes.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João A. Lopes
    07 jun, 2023 Porto 12:13
    «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões» Agostinho de Hipona (354-430).

Destaques V+