A+ / A-

Montenegro chama Costa a jogo. "Resolva" o "pântano político" ou "mais vale mudar de primeiro-ministro"

20 mai, 2023 - 17:04 • Susana Madureira Martins

Luís Montenegro convida o "dono da casa" a acabar com a "balbúrdia política e institucional" que considera existir no país. Desta vez o líder do PSD não pediu a demissão nem do ministro João Galamba, nem da secretária-geral do SIRP, mas desafia António Costa: "se o Governo não for capaz de mudar, o país vai ter de mudar de Governo".

A+ / A-

Numa sala à pinha, com gente em pé aqui e ali, no habitual hotel em Lisboa que o PSD escolhe para os eventos do partido, Luís Montenegro fez o "apelo último" ao primeiro-ministro para "acabar com a balbúrdia política e institucional" que considera estar instalada no país.

O líder social-democrata, perante dezenas de autarcas do PSD de todo o país, chamou António Costa a jogo: "se entende que é a permanecer impávido e sereno longe da arena, desaparecido em combate, a casa arde, mas o dono da casa está fora, se acha que é isto que vai induzir o país a acreditar no futuro, então mais vale mudar de primeiro-ministro".

No 3º encontro de autarcas do PSD, onde está presente, por exemplo, o presidente da Câmara de Lisboa, Luís Montenegro referiu-se à crise política dos últimos dias provocada pelo caso Galamba e que classifica como "pântano".

Acabar com o drama político que se tem vivido nas últimas semanas "está nas mãos de António Costa", resume o líder do PSD que aconselha o primeiro-ministro a usar "os instrumentos à disposição. É afamado em termos de habilidade política, use-a. E convém dizer que ser hábil não é ser habilidoso. Ser hábil é resolver, habilidoso é ludibriar, resolva os assuntos", apelou.

Sem nunca pronunciar o nome de João Galamba, o ministro que o PSD quer ver demitido na sequência dos incidentes em torno da recuperação de um computador e que envolveu as secretas, Luís Montenegro assume que é preciso perceber "porque é que o SIS foi chamado", mas "há uma coisa mais importante" para a "alternativa política" que o partido está a construir. Como dar resposta às pessoas.

"Como dar poder de compra às pessoas? Como é que vamos erradicar as listas de espera para cirurgias, consultas? Como vamos dar esperança e dignidade à carreira docente?", foram algumas das linhas de Montenegro para essa "alternativa política".

Como vem sendo hábito, o líder do PSD não mexe um milímetro em relação ao que vem dizendo. Não pede eleições antecipadas, não diz que quer ver o Governo demitido, não se referiu uma única vez ao Presidente da República.

Mas é a Marcelo Rebelo de Sousa que Montenegro dá o recado: "mais cedo do que era suposto" o partido está "cada vez mais focado em construir uma alternativa política". E outro recado. Este PSD, ao contrário do PS e do Governo "tem equipa", reforçando que no partido todos estão "a remar para o mesmo lado, estamos unidos para o combate que temos na frente".

Num evento dedicado às autarquias, Luís Montenegro lançou ainda um desafio à maioria absoluta do PS numa altura em que a revisão constitucional está aberta no Parlamento. Que deixe inscrever na Lei Fundamental a inscrição do Conselho de Coesão Territorial.

"O PS corre o país e ergue a voz pela coesão territorial. Tem agora oportunidade de concretizar essa paixão pela coesão territorial e aceitar essa proposta", desafiou o líder do PSD.

No partido admite-se à Renascença que já "cheira a poder", perante a crise política instalada há meses, é tempo para reunir o estado-maior, a pretexto do "futuro" do poder local, que irá encerrar com a intervenção do antigo líder do PSD Aníbal Cavaco Silva e descrito pelo presidente dos Autarcas Social Democratas, Helder Sousa Silva, como o "o melhor entre os melhores primeiros-ministros" do país.

Cavaco Silva é a estrela principal de um evento que conta ainda com o presidente da Câmara do Porto Rui Moreira e do autarca de Oeiras, Isaltino Morais, que foi recebido em glória pela plateia social-democrata com aplausos e gritos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+