Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Isabel dos Santos nega ter sido alvo de "pressões políticas"

25 nov, 2022 - 00:40 • Lusa

A empresária angolana garante nunca ter beneficiado de favorecimentos do Governo português, diz-se vítima de perseguição política e desvaloriza o mandado de captura internacional emitido por Angola.

A+ / A-

A empresária angolana Isabel dos Santos disse que o livro do ex-governador do Banco de Portugal Carlos Costa "diz uma inverdade".

"O Estado português nunca interveio a meu favor ou fez pressões de género algum em relação aos meus investimentos", disse a filha do ex-presidente de Angola José Eduardo dos Santos, em entrevista ao órgão de comunicação social alemão Deutsche Well. .

"Os meus investimentos sempre foram privados e nada têm a ver com intervenções políticas do Estado português", adiantou.

Segundo a empresária o livro do antigo governador do Banco de Portugal Carlos Costa tem "uma inverdade".

"Este livro do governador do Banco de Portugal diz uma inverdade", salientou Isabel dos Santos, acrescentado que se reuniu com o Carlos Costa "umas duas vezes".

"Os assuntos tratados tiveram a ver com a gestão e investimentos do banco e não se tratou de pressões políticas ou outras", afirmou.

Recentemente, Carlos Costa, no livro "O Governador", acusou o primeiro-ministro de intromissão política junto do supervisor bancário no caso de Isabel dos Santos, argumentando que o confirma na mensagem escrita que lhe enviou.

"Esta semana, no mesmo dia em que anunciava um processo judicial, o senhor primeiro-ministro enviou-me uma mensagem escrita em que reconhece que me contactou para me transmitir a inoportunidade do afastamento da engenheira Isabel dos Santos. Ou seja, é o próprio primeiro-ministro a confirmar a tentativa de intromissão do poder político junto do Banco de Portugal", disse o antecessor de Mário Centeno. .

O livro "O Governador" resulta de um conjunto de entrevistas do jornalista do Observador Luís Rosa a Carlos Costa, que liderou o Banco de Portugal entre 2010 e 2020, e tem causado polémica.

O primeiro-ministro, António Costa, já afirmou que irá processar o ex-governador do Banco de Portugal por ofensa à sua honra, depois de, no livro, o antecessor de Mário Centeno ter relatado que foi pressionado pelo chefe do Governo para não retirar Isabel dos Santos do EuroBIC.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+