A+ / A-

Iniciativa Liberal. Carla Castro vai aceitar decisão do Conselho Nacional sobre convenção eletiva

02 nov, 2022 - 21:47 • Lusa

Rui Rocha, o outro candidato na corrida à liderança da IL, considerou que o único condicionamento das eleições internas é "insistir num calendário mais curto" e recusar o adiamento da convenção para janeiro.

A+ / A-

Carla Castro, candidata à liderança da Iniciativa Liberal (IL), não vai propor qualquer data para a convenção eletiva e acatará a decisão do Conselho Nacional de domingo, abstendo-se nas votações sobre o calendário eleitoral.

"Eu não vou propor nenhuma data, eu vou aceitar aquilo que os conselheiros decidirem. As condições de partida não foram iguais e eu tomei a decisão com base nos dados que tinha e decidi avançar, o que significa que estarei preparada para as eleições em dezembro. Se for adiado, também estarei obviamente preparada para ser em janeiro", referiu Carla Castro.

Na terça-feira, também Rui Rocha, o outro candidato na corrida à liderança da IL, considerou que o único condicionamento das eleições internas é "insistir num calendário mais curto" e recusar o adiamento da convenção para janeiro.

Questionada sobre como votará esta proposta do seu opositor, Carla Castro adiantou que se vai abster em todas as votações sobre o calendário eleitoral que terão lugar no Conselho Nacional de domingo que vai aprovar a data e o regimento da convenção eletiva da qual sairá o sucessor de João Cotrim Figueiredo.

"O mal está feito e não se remedeia assim. Isto é correr atrás do prejuízo e não vai alterar as condições ou a decisão da minha candidatura e, portanto, eu acatarei de bom grado a decisão que for tomada pelos conselheiros", enfatizou.

Para a deputada e dirigente liberal, "aquilo que deve ser ponderado neste momento é aquilo que é o melhor para o partido", mostrando-se "tranquila com qualquer das opções".

Sobre o facto de já ter defendido, a semana passada, que não via qualquer necessidade em adiar a convenção, Carla Castro sublinhou que "mais tempo vai permitir trabalhar mais e preparar mais" a sua candidatura.

"Mas a questão essencial é independentemente do que é bom para as candidaturas, o que é que é importante para o partido. Eu não vejo essa necessidade do ponto de vista do partido, mas haverá outras considerações certamente, poderão haver outros intuitos", justificou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+