Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Notícia Renascença

Eduardo Cabrita é candidato a diretor executivo da Frontex

06 out, 2022 - 19:58 • Susana Madureira Martins

A candidatura foi entregue em Bruxelas em julho pelo próprio ex-ministro da Administração Interna e o Governo foi de imediato informado desta intenção. Segundo fonte próxima do processo, Eduardo Cabrita tem "fortes hipóteses" de ficar à frente do cargo da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira

A+ / A-

Eduardo Cabrita é o único candidato português ao cargo de diretor executivo da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (FRONTEX), sabe a Renascença, e segundo fonte próxima do processo, o ex-ministro da Administração Interna tem "fortes hipóteses" de ficar à frente do cargo.

O processo de seleção surgiu em abril. Em julho terminou o prazo de candidaturas e foi nessa altura que Eduardo Cabrita apresentou a candidatura individual ao cargo máximo da FRONTEX, tendo sido uma das 78 candidaturas internacionais apresentadas.

A Renascença sabe que o ex-ministro da Administração Interna deu nota desta candidatura ao Governo português logo em julho, referindo a mesma fonte que "é evidente que todo o trabalho de preencher a candidatura não se faz sem informar o Governo" e que o terá feito "por cortesia", sendo que "podia não ter dito nada".

Cabrita faz agora parte de um lote restrito de uma "meia dúzia" de candidatos de várias nacionalidades, com a decisão a cargo da Comissão Europeia (CE), que deverá ser tomada até ao final do ano.

À Renascença é dito que Eduardo Cabrita terá sido "incentivado por ministros de outros países" a avançar com esta candidatura e também que o papel de Portugal relacionado com as migrações "favorece" a candidatura do ex-ministro, por oposição, por exemplo, a eventuais candidaturas de países como a Itália ou a Grécia.

É admitido à Renascença por várias fontes que esta candidatura à FRONTEX "tem uma ponderação política", mas que o processo de seleção segue o seu curso.

Cabrita, que abandonou o Governo de António Costa em Dezembro de 2021, após a polémica em torno do acidente de viação que em junho de 2021 vitimou mortalmente um trabalhador de uma obra em curso na A6, candidata-se assim a substituir o francês Fabrice Leggeri que se demitiu em Março.

Sete momentos polémicos de Eduardo Cabrita, o MAI dos "casos"
Sete momentos polémicos de Eduardo Cabrita, o MAI dos "casos"
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • raul Silva
    06 out, 2022 Agualva-Cacém 21:40
    Se há algo que este sujeito nunca soube fazer foi proteger as nossas fronteiras. O desembarque de marroquinos no Algarve é um bom exemplo.
  • xi
    06 out, 2022 lixa 20:35
    Como eles arranjam sempre grandes "tachos"!........

Destaques V+