Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

5 de outubro

Moedas desafia Portugal a “querer mais” e a libertar-se do “jugo fiscal”

05 out, 2022 - 12:33 • Tomás Anjinho Chagas Redação

Presidente da Câmara Municipal de Lisboa foi o primeiro a discursar nas cerimónias do 5 de outubro. Virado para a “vontade de mudança”, Moedas recusa-se a entregar o país à “resignação”.

A+ / A-

O presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, subiu ao púlpito para fazer o seu primeiro discurso do 5 de outubro, atrás estiveram Augusto Santos Silva, Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Maria do Rosário Farmhouse (presidente da Assembleia Municipal de Lisboa).

Na sessão solene das cerimónias do 5 de Outubro, que decorrem nos Paços do Concelho de Lisboa, por baixo da varanda a partir de onde foi proclamada a Primeira República, Carlos Moedas comparou a “vontade de mudança” que foi necessária para derrubar a monarquia, à coragem que é preciso ter nos dias de hoje para o país não se entregar à “resignação”.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa alertou que “perante os perigos deste mundo no qual a guerra voltou à Europa e no qual a espiral inflacionista afeta principalmente os mais vulneráveis, a vontade de mudança que a nação, em momentos igualmente críticos, demonstrou no passado, é uma inspiração para todos nós, para não nos entregarmos à resignação, à inação e ao desânimo".

Numa mensagem que pode ser interpretada como uma crítica aos anos de governação socialista, Carlos Moedas recordou ainda a audácia dos republicanos que há 112 implantaram este regime em Portugal para defender um país que liberte os portugueses do "jugo fiscal que se torna insuportável".

"Não nos podemos resignar perante alguma estagnação económica", disse, acrescentando que "queremos cada vez mais um país preparado para um mundo cada vez mais competitivo; um país que liberte os portugueses do jugo fiscal que se torna insuportável para as suas vidas".

Carlos Moedas salientou que ainda que “o futuro exige a capacidade de tomar decisões todos os dias, de fazer a diferença”, e a importância a ação "assumida pelos municípios”.

"Foi, aliás, também esta a tradição municipalista que inspirou tantas figuras, republicanos e não republicanos, durante os momentos de angústia institucional, social e moral dos finais do século XIX no princípio do século XX", acrescentou.

Carlos Moedas relembrou ainda que é necessário audácia "para fazer política para as pessoas, com as pessoas, ouvindo as pessoas. E para não fazer uma política de impor às pessoas aquilo que os políticos acham que deve ser a sua vida".

"Precisamos dessa audácia para superar a estagnação, para defender a liberdade, para proteger a democracia todos os dias", declarou.

[em atualização]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+