Tempo
|
A+ / A-

Encontro Interparlamentar PSD

Autoridade de Costa Silva "fortemente reduzida”. PSD critica “desorientação” do Governo quanto à redução do IRC

21 set, 2022 - 18:34 • Tomás Anjinho Chagas

Joaquim Miranda Sarmento sublinha que o PSD sempre foi a favor de baixar os impostos para as empresas. Líder parlamentar considera que o episódio reduz autoridade política do ministro da Economia.

A+ / A-

“O ministro da Economia diz uma coisa, o ministro das Finanças diz outra. E como de costume, o primeiro-ministro não diz nada, ou diz tarde”. Sem rodeios, é assim que Joaquim Miranda Sarmento, líder parlamentar do PSD, descreve o episódio de desautorização entre Fernando Medina e António Costa Silva.

Depois de o ministro da Economia, António Costa Silva, ter defendido uma “redução transversal” do IRC, o ministro das Finanças, Fernando Medina, veio hoje emendar, dizendo que “não me parece adequado estar antecipar esta ou aquela posição”.

O travão das Finanças ao ministro da Economia é, aos olhos do PSD, mais um sinal de “desautorização” entre membros do executivo. Em declarações aos jornalistas em Ponta Delgada, o líder da bancada social-democrata sublinha que “não há matéria em que o Governo não mostre uma total descoordenação”.

Joaquim Miranda Sarmento esclarece: “faz todo o sentido que haja uma redução da carga fiscal das empresas” e lembra que “foi o Dr. António Costa, quando chegou à liderança do PS, que agravou a tributação em sede de IRC”.

Por isso, o líder da bancada parlamentar do PSD pede que o Governo esclareça qual é a sua posição quanto a uma eventual baixa de impostos às empresas.

“Nós não sabemos sequer se o Governo quer reduzir alguma coisa”, atira Miranda Sarmento, que lembra que o PSD “não mudou de posição”, e pede ao executivo que “se entenda entre si e que os ministros se entendam entre si”, desafia.

Autoridade “fortemente reduzida” de Costa Silva

Depois deste episódio, que não é o primeiro desde que o ministro da Economia tomou posse, no final de março, o PSD considera que a autoridade política de António Costa Silva está “fortemente reduzida”.

“De facto, o ministro da Economia, que é uma pessoa bem intencionada e bem formada, tem tido um conjunto de desautorizações”, lembra Joaquim Miranda Sarmento em declarações aos jornalistas em declarações, à margem do primeiro encontro interparlamentar do PSD, nos Açores.

O líder da bancada social-democrata coloca o ónus de medir o impacto desta desautorização no Primeiro-Ministro: “A autoridade do Ministro da Economia está fortemente reduzida, mas só o Sr. primeiro-ministro pode confirmar se ela de facto foi ferida”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+