Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Governo quer reflexão sobre cálculo das pensões, mas não para já

09 set, 2022 - 11:57 • Olímpia Mairos com redação

O ministro Fernando Medina diz que "não é uma reflexão que vá ser feita de imediato, de forma rápida, mas de forma a ser debatida com toda a sua ponderação”.

A+ / A-

O ministro das Finanças defende uma reflexão sobre a forma de cálculo das pensões, mas rejeita que esta seja feita de imediato, de forma rápida.

À chegada à reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro, que decorre em Praga, na República Checa, Fernando Medina explicou que uma mudança nesse cálculo deve ser ponderada e antecipada de um debate relativamente à situação estrutural da Segurança Social.

“Estamos num ano absolutamente excecional, uma inflação muito alta, creio que todos compreendem que nós não podemos esperar por um ano excecional, circunstâncias absolutamente excecionais, colocar questões, diminuir as condições de sustentabilidade da Segurança Social e das Finanças Públicas portuguesas”, argumenta.

O governante insiste que “estamos perante uma situação excecional e, por isso, é uma reflexão para se fazer”, considerando, no entanto, que “não é uma reflexão que vá ser feita de imediato, de forma rápida, e precisa de ser ponderada, de ser debatida com a sua ponderação”.

O ministro das Finanças lembrou ainda que “o apoio extraordinário aos pensionistas, no valor de meia pensão, que receberão no mês de outubro” e “os aumentos para o ano de 2023, serão os “maiores aumentos, desde há pelo menos 15 anos, desde que existe fórmula de cálculo de pensões, e essas são as duas decisões que o Governo anunciou, não anunciou mais nenhuma decisão”.

Nesta reunião de ministros das finanças, serão mais uma vez votadas as candidaturas do ex-ministro das Finanças português, João Leão, e do luxemburguês, Pierre Gramegna, ao cargo de diretor executivo do Mecanismo Europeu de Estabilidade.

A votação já foi adiada duas vezes, por falta de consenso.

Fernando Medina admite que é “um processo que se tem vindo a revelar difícil, com duas candidaturas que são prestigiadas, mas, também, com insistência com a permanência de bloqueios, que faz com que ainda nenhum dos candidatos tenha conseguido reunir 80% dos votos dos votos”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+