Tempo
|
A+ / A-

Chega exige que medidas de poupança energética passem pelo parlamento

07 ago, 2022 - 19:40 • Lusa

O Ministério do Ambiente vai apresentar "em breve" um plano de poupança energética que poderá incluir medidas de limitação de consumo de energia nos edifícios da Administração Pública.

A+ / A-

O presidente do Chega, André Ventura, afirmou este domingo que o partido "vai exigir" que qualquer medida de poupança energética seja previamente levada à Assembleia da República, considerando ser "importante" que o Governo não tome aquelas decisões sozinho.

Em Mujães, Viana do Castelo, durante uma Festa do Emigrante, André Ventura disse que em causa poderão estar medidas "graves", que têm a ver com o dia-a-dia dos portugueses, e adiantou ter "indícios" de que poderão ser aprovadas num eventual Conselho de Ministros extraordinário a realizar ainda em agosto.

"Os indícios que temos são muito preocupantes, pode haver um Conselho de Ministros extraordinário em agosto para que isto fique já definido e para que em setembro as medidas entrem em vigor. Mas nós não vamos deixar (...) O que vamos exigir é que o Governo seja obrigado a levar estas medidas ao parlamento", referiu.

Para o líder do Chega, o parlamento "tem de fazer o seu trabalho".

"Temos que agir já, o Governo não pode ter carta branca, o parlamento tem de fazer o seu trabalho e nós não vamos deixar que o Governo fique de mãos completamente livres nesta matéria", garantiu.

O Ministério do Ambiente vai apresentar "em breve" um plano de poupança energética que poderá incluir medidas de limitação de consumo de energia nos edifícios da Administração Pública, segundo disse na terça-feira à Lusa fonte oficial.

"O Ministério do Ambiente e da Ação Climática apresentará em breve um plano no qual poderão constar, por exemplo, uma campanha de sensibilização geral para a redução do consumo de energia por parte de empresas e famílias e medidas de limitação de consumo de energia nos edifícios da Administração Pública", disse fonte oficial em resposta à Lusa, sem adiantar mais pormenores.

Na segunda-feira, o Governo espanhol aprovou um "pacote de medidas urgentes de poupança e eficiência" energética, atendendo "à situação crítica" que vive a Europa por causa da ameaça russa de corte de fornecimento de gás.

No âmbito destas medidas, a temperatura em edifícios públicos, espaços comerciais, estações de autocarros e comboios e aeroportos em Espanha não pode ser inferior a 27 graus no verão e superior a 19 no inverno, para poupar energia.

A medida, que abrangerá também espaços culturais, entre outros, prevê também que se desligue a iluminação de montras, monumentos e outros edifícios a partir das 22:00, assim como as luzes dentro de edifícios públicos quando estão desocupados, segundo explicou a ministra com a pasta da energia no Governo espanhol, Teresa Ribera.

O Governo espanhol vai também aumentar o teletrabalho na administração pública e a ministra apelou a que as "grandes empresas" façam o mesmo, para haver menos deslocações e menos custos com a climatização de edifícios e com outros consumos de energia.

Hoje, André Ventura disse ter "praticamente a certeza" de que o Governo português vai adotar um modelo "muito parecido com o espanhol".

"Todas as informações de que dispomos são de que será um modelo muito parecido com o espanhol, o que é preocupante. Não se pode aquecer as casas acima de um determinado valor, não se pode usar ar condicionado para determinadas temperaturas", referiu, aludindo ainda a limitações para a indústria.

Ventura disse que hoje mesmo o Chega pediu que o representante da Agência para a Energia vá ao parlamento "o mais tardar no início de setembro, mal reabram os trabalhos", para explicar as medidas que poderão estar em causa.

"Estamos numa fase muito crítica, o setembro, o outubro e o novembro podem trazer já medidas de poupança energética que nunca vimos em Portugal, com limitações ao aquecimento, limitações à indústria e limitações ao uso de gás e eletricidade", alertou.

Disse ainda ser "evidente para todos" que vai haver um aumento "muito significativo" da fatura da eletricidade e instou o Governo a avançar com números.

"É importante que portugueses saibam em setembro e outubro quanto é que vão pagar de eletricidade, qual vai ser o aumento", rematou.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    08 ago, 2022 ILHAVO 11:39
    As "exigências" e os disparates do "dito-cujo" são tantas (diárias), que é fácil enganarmo-nos. O que ele queria no caso anterior era que o Presidente da República ralhasse com o Presidente da AR, por ele se ter insurgido contra a sua (do "dito-cujo") insultuosa xenofobia. Então, quando é que, como prometeu, pede desculpas públicas por se ter redondamente enganado - ao.menos para nos tentar enganar a nós, dando a falsa ideia de que está ganhando um pouquinho mais de juízo e vergonha?
  • José J C Cruz Pinto
    07 ago, 2022 ILHAVO 19:33
    Aah! E também os cromos do anterior partido do "Dito-Cujo" estarão algo atrapalhados, sem perceberem o Presidente da República e o Secretário Geral das Nações Unidas. E estarão ainda a pensar também sobre qual será a sua próxima "exigência" com maior impacte mediático.
  • José J C Cruz Pinto
    07 ago, 2022 ILHAVO 19:19
    Mas este cromo (do "Dito-Cujo) não tinha acabado de "exigir" que o Presidente da República ralhasse com o Primeiro Ministro a propósito da energia? Ainda não conseguiu (nem vai conseguir) o que queria, e já "EXIGE" (!) outra coisa diferente sobre tema próximo, antes mesmo de pedir desculpas públicas por se ter "afinal" enganado quanto à posição do Presidente sobre a primeira questão. [Pensa que todos nos vamos esquecer?] E este, como todos os outros cromos, incluindo os da Idiotia Liberal, não vão continuar a criticar o Governo e o perigoso Secretário Geral das Nações Unidas por ter recomendado algum juízo e decência às grandes empresas do sector energético?

Destaques V+