Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Marcelo condena racismo e xenofobia. “Não há ‘portugueses puros’”

01 ago, 2022 - 16:04 • Ricardo Vieira

Presidente da República diz que “não vale a pena negar que há, infelizmente, setores racistas e xenófobos entre nós, mas não se pode, nem deve, generalizar”.

A+ / A-

Marcelo Rebelo de Sousa publicou esta segunda-feira uma mensagem no site da Presidência a condenar qualquer ato de racismo ou xenofobia.

“O Presidente da República sublinha, de novo, que qualquer comportamento racista ou xenófobo é condenável e intolerável, e deve ser devidamente punido, seja qual for a vítima”, escreveu o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que “não vale a pena negar que há, infelizmente, setores racistas e xenófobos entre nós, mas não se pode, nem deve, generalizar”.

“O comportamento da sociedade portuguesa é, em regra, respeitador dos direitos fundamentais e da dignidade da pessoa humana”, sublinha.

Segundo o Presidente, “o mesmo se dirá, especificamente, quanto às comunidades dos países irmãos de língua portuguesa, que têm vindo a aumentar a sua presença entre nós e são motivo de gratidão e de orgulho para Portugal”.

Marcelo Rebelo de Sousa refere na sua mensagem que a sociedade portuguesa é “constituída por pessoas das mais variadas origens, que aqui chegaram há poucos ou há muitos anos, alguns há séculos, aqui vivem, trabalham, constituem as suas famílias”.

“Não há ‘portugueses puros’, somos todos descendentes de culturas, civilizações e origens muito diversas”, argumenta o chefe de Estado.

“Somos todos transmigrantes, todos temos familiares e amigos que vivem ou viveram fora do quadro geográfico físico de um país; tal como tantos que aqui encontram uma melhor vida. E todos somos Portugal”, remata o Presidente da República.

A mensagem de Marcelo Rebelo de Sousa não refere nenhum caso em concreto, mas acontece em plena polémica entre o Chega e o presidente da Assembleia da República e depois de um fim de semana em que os filhos dos atores brasileiros Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso foram insultados na Costa da Caparica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    02 ago, 2022 Aqui 05:31
    Os meus pais eram portugueses, assim como os meus avós, os meus bisavós e tetravós. É claro que existem portugueses puros.
  • Raul Silva
    01 ago, 2022 Cacém 23:03
    Tem toda a razão. Um dos que não são puros é ele próprio. Acobardou-se e ficou em silêncio quando Mamadou Ba insultou o militar português mais condecorado e de raça negra.
  • José J C Cruz Pinto
    01 ago, 2022 ILHAVO 18:50
    Mas há alguns que, julgando-se puros, de facto tudo conspurcam à volta, fedem à distância, e a todos envergonham.
  • José J C Cruz Pinto
    01 ago, 2022 ILHAVO 16:03
    Mas, já que há pudor (ou medo?) de se "chamar os bois pelos respectivos nomes", por que é que não se força e ergue mesmo uma cerca à sua volta (num outro prado), que os impeça de poluirem e marrarem em tudo e todos? Também é por medo das suas mais recentes e explícitas ameaças?

Destaques V+