Tempo
|
A+ / A-

Estado da nação

PCP aponta "problemas estruturais", Costa alerta para inflação causada pela guerra

20 jul, 2022 - 17:54

Jerónimo de Sousa acusa o Governo de tomar opções que convergem com "os interesses dos grupos económicos".

A+ / A-

O secretário-geral do PCP apontou hoje ao Governo um conjunto de problemas estruturais do país, como a precariedade ou a inflação, com o primeiro-ministro a pedir para não se ignorar o contexto de guerra na Ucrânia.

Jerónimo de Sousa intervinha no debate sobre o estado da nação, que decorre hoje na Assembleia da República, chamando à atenção do Governo para problemas como o "aumento do custo de vida", ou a "acelerada degradação da vida dos trabalhadores", acusando o executivo de tomar opções que convergem com "os interesses dos grupos económicos".

"Diz a bancada do PS, o senhor deputado Brilhante Dias [líder parlamentar socialista]: reduzimos o desemprego. Admitamos, só que não completou a frase, devia ter acabado dizendo: reduzimos o desemprego, aumentámos a precariedade, que é hoje uma chaga social", atirou.

O líder comunista insistiu na importância do investimento nos serviços públicos, em "medidas de fixação e controlo dos preços", no aumento dos salários e das pensões, no desenvolvimento da indústria nacional, passando pelo apoio à agricultura familiar, "decisiva para a defesa do mundo rural, do ordenamento do território e da defesa da floresta".

Na resposta, o primeiro-ministro, António Costa, atirou: "Senhor deputado, desculpe, mas não resisto a um aparte: há muitos problemas estruturais, mas um dos problemas mais determinantes para a situação do país hoje é mesmo o resultado da inflação, que resulta da guerra desencadeada pela Rússia contra a Ucrânia".

"Não podemos ignorar os problemas estruturais, mas não podemos ignorar esta causa concreta desta agressão de violação do direito internacional que a Rússia perpetuou contra um estado independente e soberano como é a Ucrânia", vincou.

Quanto à precariedade, António Costa concordou com o secretário-geral do PCP, dizendo que esta é "uma chaga" do mercado de trabalho, mas lembrou que está em discussão no parlamento a agenda do trabalho digno do executivo, em que um dos objetivos é "acelerar o combate à precariedade".

O primeiro-ministro acrescentou que "nos últimos anos, não só os contratos a prazo diminuíram, como a percentagem de contratos sem termo no conjunto das pessoas empregadas aumentou significativamente e está neste momento nos 84,9%".

"E temos a esperança que seja possível em sede de concertação social concluir o acordo para a produtividade e rendimentos para que haja uma valorização geral dos salários", acrescentou.

Já sobre o tema das florestas, António Costa defendeu que "não há reforma possível sem repor valor na floresta".

"E é por isso que é indispensável que possamos ter o cadastro concluído, que haja uma gestão com escala económica da floresta e que haja novos usos para floresta. Não é só o preço da madeira, é poder investir nos biocombustíveis, nas fibras biológicas para o têxtil ou para o calçado e novos usos, designadamente para os produtos resinosos", referiu.

"Quando repusermos valor na floresta voltaremos a ter quem cuide da floresta", insistiu o primeiro-ministro. .

Momentos antes da resposta do primeiro-ministro, um homem que assistia ao debate nas galerias tentou pedir a palavra a António Costa, que continuou a sua intervenção, tendo sido retirado pelos agentes da GNR.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+