Tempo
|
A+ / A-

PSD

Bolieiro alerta Montenegro para a “autonomia” dos Açores sobre relação com Chega

14 jul, 2022 - 22:56 • Tomás Anjinho Chagas

Em entrevista à Renascença, José Manuel Bolieiro elogia nova direção do PSD e a saída de Rio. O presidente do Governo Regional açoriano reafirma a estratégia de entendimento parlamentar com o Chega validada por Rui Rio e avisa mesmo que "essa matéria é do domínio da decisão do PSD/Açores".

A+ / A-
Entrevista a José Manuel Bolieiro, presidente do Governo Regional dos Açores Foto: João Pedro Domingos
Entrevista a José Manuel Bolieiro, presidente do Governo Regional dos Açores Foto: João Pedro Domingos

O presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, está otimista quanto ao novo PSD e elogia a direção de Montenegro. Em entrevista à Renascença, o líder do executivo açoriano é claro quanto à autonomia do PSD regional em relação às estruturas nacionais.

No final do ano, a Assembleia Legislativa Regional irá discutir e votar o Orçamento açoriano para 2023 e José Manuel Bolieiro lembra que o acordo de incidência parlamentar com o partido de André Ventura foi necessário "para garantir estabilidade e responsabilidade parlamentar para uma legislatura inteira"

Como é que avalia esta nova direção de Luís Montenegro? Parece-lhe que consegue juntar todas as fações do partido? Será que é desta que o PSD se vai unificar?

A estratégia é a confirmação da minha própria convicção, desde sempre enquanto social-democrata: o PSD é um partido de causas, de missão democrática, de serviço ao país. Precisa, pois, de assegurar no quadro dos seus princípios e dos seus valores, da componente ideológica e doutrinária, a apresentação de uma alternativa de governo ao país. E isto está muito bem patente na estratégia do PSD de Luís Montenegro.

Num período em que a nossa expectativa e a dos portugueses em geral, no quadro das regras democráticas, de que com uma maioria absoluta e expectativa de uma legislatura completa, termos o tempo necessário para conjugar na liderança da oposição um partido corretivo dos desmandos da governação, de uma desorientação altamente penalizadora do interesse nacional e, por isso, firmeza na oposição crítica e numa oposição assertiva.

A mudança das lideranças, sem com isso desconsiderar o histórico, porque fizemos o que estava ao nosso alcance, é sobretudo uma oportunidade também de renovar de esperança. E esta renovação de esperança fica aqui alcançada igualmente por outro elemento decisivo que se revelou no congresso: a unidade.

Não há unanimismo porque há pluralidade de opinião criativa, geradora de riqueza no debate interno do partido, mas unidade funcional, unidade estratégica para afirmar o partido como uma verdadeira alternativa reformista da democracia portuguesa.

Os nomes escolhidos para os cargos de direção. Parece-lhe que é a forma de sanar as feridas e recomeçar?

Sim! Também é a atitude muito ética e clara do anterior líder, o Dr. Rui Rio, que não se apresenta como alguém que sai amargurado, mas sim de consciência tranquila quanto ao seu trabalho e à perspectiva de, para o seu lugar do pensamento estratégico, colaborar com o novo líder e com o partido.

A conjugação de tantas outras figuras que foram, aliás, candidatos à liderança do partido no passado recente, como a de Jorge Moreira da Silva, aqui também bem demonstrativa de que a esta unidade estratégica.

Ninguém prescinde do seu pensamento, da sua uma forma de ver a intervenção do Partido Social Democrata, mas de forma convergente e não divergente. Plural na opinião e no pensamento, mas convergente na unidade estratégica do PSD.

É presidente do Governo Regional dos Açores. Com a direção de Luís Montenegro muda alguma coisa na forma como se tem de articular com os outros partidos?

Não, não, não muda porque, na verdade, quer com o Dr.Rui Rio e sob a minha presidência do PSD Açores e depois líder da governação plural, através de uma coligação nos Açores, ficou sempre bem patente: nós somos autónomos sob o ponto de vista da região em relação à República, como também no quadro partidário, a estrutura da Comissão Política Regional é autónoma em relação à Comissão Política Nacional.

Essa matéria é do domínio da decisão do PSD/Açores, do domínio da opção política e governativa que assumimos nos Açores, que a nossa autonomia e respeito por parte da Comissão Política Nacional e de qualquer um dos seus líderes.

No entanto, há também uma permanente ligação de coerência com os princípios e valores do PSD enquanto partido de marca portuguesa, democrática, humanista, personalista, defensor da economia de mercado, de garantia da continuidade territorial.

Tenho a melhor relação de proximidade com o Dr. Luís Montenegro e tenho por certo o seu compromisso com a autonomia, aliás, já no quadro da sua candidatura nas eleições directas do partido. Portanto, faremos sempre uma estratégia conjunta.

O contexto histórico é um argumento importante, olhando para a governação dos Açores e a articulação que tem de fazer com outros partidos, seria útil para este novo PSD cultivar mais entendimentos com parceiros históricos como o CDS, do que continuar a apostar, por exemplo, no Chega?

Eu, de facto, tenho este património que fiz adquirir neste assunção de poder nos Açores. Primeiro só assumi a responsabilidade de governar porque interpretei que havia no resultado eleitoral de 2020, uma vontade de mudança.

O fim da maioria absoluta do Partido Socialista, assegurou no meu entendimento ético-democrático, uma alternativa de maioria ao PS.

Apenas com a coligação PSD, CDS e PPM, que era essencial para assumir este projeto. Tínhamos maior número de votos e maior número de mandatos de que o Partido Socialista, que efetivamente ganhou as eleições, eu não gosto de esconder o sol com a peneira.

No entanto, também se interpretou que uma perda de uma maioria absoluta, de um presidente do Governo que era recandidato, que estava no poder, que por aí tem sempre a alavanca da continuidade e da renovação de mandatos, perdeu a maioria absoluta.

Interpretámos como um sinal de uma afirmação, de uma alternativa, por isso a segurei numa conjugação que, aliás, tem história na democracia portuguesa de identidade ideológica e doutrinária, o PSD e o CDS e o PS fizeram no ainda com a liderança do doutor Sá Carneiro.

No entanto, e ainda assim, para garantir estabilidade e responsabilidade parlamentar para uma legislatura inteira, precisámos fazer acordos de incidência parlamentar com partidos que, obviamente, eram também expressão da vontade de mudança.

E é isso que nós afirmámos: uma governação não socialista, de forma muito concreta, que configurou através dos acordos de incidência parlamentar.

Eu sou um democrata de profunda convicção, e a democracia recomenda convicção e humildade, convicção nos nossos princípios e humildade pelo diálogo, pela concertação, não só no quadro parlamentar dos partidos com representação parlamentar, mas também com a própria sociedade.

E é isso que eu tenho feito, sempre com o constante apelo à paciência democrática, mas a paciência democrática vale a pena, porque sei que estamos mais próximos do povo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    15 jul, 2022 Porto 08:19
    Presidente dos Açores: sensato. Algo que parece faltar ao PSD do Continente, que continua agarrado ao passado ideológico de Rui Rio, pouco humanista, o homem que ia conseguindo destruir o PSD para benefício do PS.
  • ze
    15 jul, 2022 aldeia 07:20
    Luis M.Negro tem pouca visão futura em termos de estrategias politicas,não tem carisma nem para o cargo e nunca será 1ºministro.O psd necessita de alguém com perfil e que se destaque no imediato,mas.....parece não haver ninguém.
  • ze
    15 jul, 2022 aldeia 07:20
    Luis M.Negro tem pouca visão futura em termos de estrategias politicas,não tem carisma nem para o cargo e nunca será 1ºministro.O psd necessita de alguém com perfil e que se destaque no imediato,mas.....parece não haver ninguém.

Destaques V+