Tempo
|
A+ / A-

Pedro Nuno Santos "admite falha relevante", mas não se demite

30 jun, 2022 - 16:57 • Ricardo Vieira , Carlos Calaveiras

Ministro das Infraestruturas “lamentou a situação criada, fruto de erros de comunicação e articulação”, mas afirmou que "obviamente" vai continuar a trabalhar no Governo de António Costa.

A+ / A-

Veja também:


O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, admite "falha relevante" no processo do no aeroporto em Lisboa, mas não se demite do Governo.

Numa curta declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas, Pedro Nuno Santos fez "mea culpa", “lamentou a situação criada, fruto de erros de comunicação e articulação”, mas afirmou que "obviamente" vai continuar a trabalhar no executivo de António Costa.

“As falhas tiveram consequências, penalizo-me profundamente. Foi uma falha relevante que assumo”, acrescentou.

Pedro Nuno Santos adianta, no entanto, que este caso “não mancha o trabalho longo, de anos, em conjunto, com o primeiro-ministro” que “não é manchada por este momento infeliz”. “Queremos ultrapassar este momento e retomar o trabalho em conjunto”, acrescentou.

Um dos objetivos agora, acrescenta Pedro Nuno Santos, é “procurar o consenso com o maior partido da oposição”.

Alguns órgãos de comunicação social chegaram a dar como certa a saída do ministro das Infraestruturas do Governo.

O primeiro-ministro, António Costa, determinou esta quinta-feira a revogação do despacho ontem publicado pelo Ministério das Infraestruturas sobre o plano de ampliação do aeroporto de Lisboa, desautorizando Pedro Nuno Santos.

Em comunicado, o gabinete do primeiro-ministro indicou esta manhã que "a solução tem de ser negociada e consensualizada com a oposição, em particular com o principal partido da oposição e, em circunstância alguma, sem a devida informação prévia ao senhor Presidente da República".

Fonte próxima do processo garantiu à Renascença que Costa desconhecia o despacho ontem publicado pela tutela e hoje suspenso pelo chefe do executivo.

Na tarde de ontem, fonte do Ministério das Infraestruturas tinha avançado à Renascença que a solução final para um novo aeroporto em Lisboa estava decidida e passava por juntar Montijo e Alcochete, com o desmantelamento previsto do atual aeroporto Humberto Delgado, na capital.

O despacho do Ministério das Infraestruturas foi publicado ao final da tarde de ontem, e confirmava que o Governo ia entregar ao LNEC a Avaliação Ambiental Estratégica.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Laura Ventura.
    30 jun, 2022 Lx. 19:35
    Contra ventos e "marés" espero q este ministro competentíssimo continue na pasta. Faz muita falta a habita cão e á ferrovia para desenvolver Portugal interior norte e sul, bem como no caso da habitação pública a preços regulados. Bom trabalho e Boa Coragem Sr. Ministro."Só é vencido quem desiste de lutar" Mário Soares dixit.
  • EU
    30 jun, 2022 PORTUGAL 17:01
    Com Pessoas, como este Senhor, a governar-me peço com toda a frontalidade que a EUTANÁSIA seja aprovada.

Destaques V+