Tempo
|
A+ / A-

OE 2022

PS congratula-se com promulgação que "encerra ciclo político de clarificação"

17 jun, 2022 - 21:21 • Lusa

João Torres defendeu que o documento promulgado "cumpre escrupulosamente os compromissos que o PS assumiu na campanha eleitoral", além de manter "uma trajetória de contas certas".

A+ / A-

O secretário-geral adjunto do PS congratulou esta sexta-feira a promulgação pelo Presidente da República do Orçamento do Estado para 2022, considerando que esta "encerra verdadeiramente um ciclo político de clarificação" e cumpre os compromissos eleitorais dos socialistas.

João Torres - acompanhado pelo líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias, e pela deputada Jamila Madeira - falava aos jornalistas na residência oficial do primeiro-ministro depois de ter estado reunido com António Costa e o secretário de Estado Adjunto, Tiago Antunes, que receberam hoje os partidos com representação parlamentar para preparar o Conselho Europeu da próxima semana, em que se discutirão as candidaturas à adesão à União Europeia da Ucrânia, República da Moldova e Geórgia.

"A promulgação encerra verdadeiramente um ciclo político de clarificação no nosso país que foi aberto, não por vontade do PS, em outubro de 2021, e o PS está muito convencido de que este orçamento para 2022 é um Orçamento que cria melhores condições para podermos continuar a avançar", afirmou.

João Torres defendeu que o documento hoje promulgado "cumpre escrupulosamente os compromissos que o PS assumiu na campanha eleitoral", além de manter "uma trajetória de contas certas".

"O que é especialmente importante num momento de incerteza para que o governo continue a estar habilitado a intervir e a ajudar em função também da incerteza do momento presente", disse.

O Presidente da República promulgou hoje o Orçamento do Estado para 2022, apesar de o classificar como "um conjunto de intenções" num quadro económico imprevisível, que está destinado a "fazer uma ponte precária" para o orçamento de 2023.

"O Orçamento para 2022 acaba por ser um conjunto de intenções num quadro de evolução imprevisível, condenado a fazer uma ponte precária para outro Orçamento -- o de 2023 -- cuja elaboração já começou e que se espera já possa ser aplicado com mais certezas e menos interrogações sobre o fim da pandemia, o fim da guerra, os custos de uma e de outra na vida das Nações e das pessoas", escreve Marcelo Rebelo de Sousa na nota em que anuncia a promulgação.

Na mensagem colocada no portal da Presidência na Internet, Marcelo começa por escrever o orçamento que recebeu para promulgação "padece de limitações evidentes, e, porventura, inevitáveis".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+