Tempo
|
A+ / A-

Urgências. Ministra anuncia comissão, aumento das remunerações e admite acordos com privados

15 jun, 2022 - 20:15 • João Malheiro

Marta Temido apontou ainda a necessidade "de rever questões de remuneração".

A+ / A-

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu esta quarta-feira poder recorrer a parcerias com o setor privado e o setor social para resolver a crise atual nas urgências.

Em conferência de imprensa, Marta Temido anunciou a criação de uma comissão de resposta de emergência para fazer face "no curto prazo" aos problemas no SNS, semelhante "às respostas dadas à medicina intensiva".

A governante apontou ainda a necessidade "de rever questões de remuneração".

Marta Temido apelou ainda "a um espírito de trabalho em equipa que é o único que pode resolver os problemas na Saúde".

"Vale a pena recordar que as normas da Ordem dos Médicos, concretamente do colégio de especialidade de ginecologia/obstetrícia, que estão vigor já preveem especificamente que, se não for possível assegurar uma escala, deve existir um plano de contingência", disse a ministra, ao defender que estes planos têm de estar articulados e "capazes de ir para o terreno".

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem 802 médicos especialistas em ginecologia/obstetrícia e 38 hospitais com resposta em urgência nessa especialidade e em bloco de partos.

De acordo com a ministra, esta equipa terá também a "missão" de discutir com as administrações regionais de saúde a celebração de acordos com os setores privado e social da saúde.

"As nossas reuniões esta semana envolveram também o setor privado e houve disponibilidade dentro das limitações que o setor privado também tem para esta resposta, de nos apoiarem", salientou Marta Temida.

Uma outra "tarefa muito importante" desta nova comissão será o acompanhamento dos indicadores de saúde materna no curto prazo para efeitos de monitorização da qualidade, adiantou.

Segundo referiu, ainda no curto prazo, há também a necessidade de rever as questões associadas às remunerações dos médicos em serviço de urgência, não apenas na área da ginecologia e obstetrícia, mas também de outras especialidades.

Nesse sentido, está agendada para quinta-feira uma reunião com os sindicatos representativos dos médicos para discutir um projeto de diploma sobre as matérias de remunerações em serviço de urgência, adiantou.

"Todas as áreas governativas se empenharam em desenhar, num prazo muito curto, uma proposta de solução que responde às principais preocupações das estruturas", disse a governante, que considerou, sem especificar os valores que serão alvo de negociação, ser uma "solução que envolve a correção de potenciais desigualdades" gerada pelos montantes pagos aos prestadores de serviços nesta área.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+