Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Costa quer que exportações representem 50% do PIB nesta década

29 mai, 2022 - 17:01 • Lusa

Num encontro com empresários portugueses na feira de Hannover -- que o primeiro-ministro vai inaugurar, hoje às 18h00 (17h00 de Lisboa), o chanceler alemão, Olaf Scholz -- António Costa sublinhou que a escolha de Portugal como país parceiro do certame é uma "enorme oportunidade" para as empresas portuguesas, uma vez que se trata da "maior montra mundial de quem produzir ou presta serviços para a indústria".

A+ / A-

O primeiro-ministro afirmou hoje que o Governo pretende garantir que, nesta década, as exportações representam mais de 50% do PIB, considerando que a escolha de Portugal como país parceiro da feira de Hannover poderá ajudar nesse desígnio.

"Para o país é também da maior importância, porque temos todos uma meta, que é, nesta década, garantirmos que as exportações passam a representar mais de 50% do nosso Produto Interno Bruto (PIB), e isso só se faz tendo cada vez serviços e bens de maior valor acrescentado", frisou o primeiro-ministro.

Nesse sentido, Costa reiterou que a presença de empresas portuguesas na feira de Hannover "é absolutamente essencial, porque irá seguramente alavancar o aumento e o crescimento" das exportações portuguesas". .

"Temos todas as condições para o conseguir e o contexto é um contexto que nos favorece, porque é um contexto de reindustrialização da Europa, de transição energética, de transição digital e onde, portanto, vai ser necessário adquirir cada vez mais produtos e serviços como aqueles que vocês produzem ou que prestam" sublinhou. .

O primeiro-ministro defendeu ainda que o convite para Portugal ser país parceiro da feira "ocorre num momento particularmente importante" em termos internacionais. .

É "um momento em que em toda a Europa se procura encurtar as cadeias de valor e reforçar a capacidade industrial na Europa, num momento em que todas as empresas industriais estão a investir fortemente na sua automação, e num momento em que a indústria tem que acompanhar o esforço do conjunto da sociedade para a sua sustentabilidade e estão a investir fortemente em novos paradigmas energéticos", elencou. .

Nesse âmbito, Costa disse ser "com grande orgulho" que se encontra em Hannover para a abertura da "maior feira industrial que existe à escala global", e sublinhou que a escolha de Portugal se deveu à "excelência dos bens e dos serviços" que as empresas portuguesas produzem. .

"Esse reconhecimento foi o que levou a que Portugal fosse escolhido para país parceiro: a presença nesta feira é da maior importância. Há muitos anos que Portugal está aqui -- em média temos cerca de 40 empresas -- este ano temos mais do dobro: mais de 100 empresas portuguesas vão estar aqui nas mais diferentes formas de ajudar as indústrias a serem cada vez mais competitivas, mais produtivas, mais sustentáveis", frisou. .

O primeiro-ministro contrariou ainda ideia segundo a qual Portugal "produz essencialmente serviços", recordando que 70% das exportações portuguesas são bens e os restantes 30% são serviços, acrescentando que a primeira fileira de exportações é a metalomecânica. .

Dirigindo-se diretamente aos empresários portugueses -- na plateia, encontrava-se o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva -- Costa desejou-lhes "uma excelente semana", com "muitos bons negócios, e que isso contribua seguramente para atrair investidores para Portugal, mas sobretudo para encontrarem novos mercados, novos clientes e que façam muitos bons negócios que ajudam o país a exportar mais e a crescer também cada vez mais, puxado pelas exportações". .

Nesta deslocação, Costa encontra-se acompanhado pelo ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, pelo secretário de Estado Adjunto e da Economia, João Neves, o secretário de Estado da Internacionalização, Bernardo Ivo Cruz, e pelo secretário de Estado do Ambiente e da Energia, João Galamba. .

Com o "slogan" "Portugal faz sentido", a Hannover Messe"22 -- considerada a maior feira de indústria do mundo -- começa hoje e termina na quinta-feira, tendo escolhido Portugal como país parceiro para a edição deste ano. .

Segundo o gabinete do primeiro-ministro, 109 empresas portuguesas irão participar no certame, desenvolvendo "atividades nas áreas de soluções de engenharia, soluções de energia e ecossistemas digitais". .

À margem da feira de Hannover -- que vai inaugurar esta tarde com Olaf Scholz --, António Costa vai também jantar hoje à noite com o chanceler alemão, num encontro fechado à comunicação social.

Na segunda-feira de manhã, o primeiro-ministro e o chanceler alemão irão visitar pavilhões nacionais na feira, antes de se deslocarem a Bruxelas, onde, nessa tarde e na segunda-feira, participam na reunião do Conselho Europeu. .

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos
    29 mai, 2022 Alcoitão 17:43
    Portugal vai é exportar mão-de-obra qualificada porque quem é ambicioso emigra para longe daqui. Portugal não oferece garantias de futuro aos seus cidadãos enquanto o governo finge que não há um grave problema no mercado da habitação e enquanto aplicar uma carga fiscal brutal sobre os contribuintes.

Destaques V+