Tempo
|
A+ / A-

Projeto do Chega sobre metadados encurta prazo de conservação e proíbe guardar localização

22 mai, 2022 - 19:32 • Lusa

A conservação por um período mais longo deverá constituir "crime, punido com pena de prisão até dois anos ou multa até 240 dias", de acordo com o projeto de lei do Chega, que propõe que os dados sejam conservados "em território na União Europeia".

A+ / A-

O Chega entregou um projeto para alterar a chamada lei dos metadados, no qual propõe diminuir para seis meses o prazo de conservação e proibir que dados relativos à localização sejam guardados "de forma generalizada".

Com este projeto de lei, o partido liderado por André Ventura propõe alterar a lei 32/2008, relativa à conservação de dados gerados ou tratados no contexto da oferta de serviços de comunicações eletrónicas, na sequência de o Tribunal Constitucional (TC) ter declarado normas desta lei como inconstitucionais.

Esta legislação estipula que as informações devem ser conservadas "pelo período de um ano a contar da data da conclusão da comunicação", mas o Chega defende que esse tempo deve ser diminuído para seis meses e que "os dados devem ser armazenados em local compatível com o exercício das garantias constitucionais de proteção e com a intervenção da Comissão Nacional de Proteção de Dados".

A conservação por um período mais longo deverá constituir "crime, punido com pena de prisão até dois anos ou multa até 240 dias", de acordo com o projeto de lei do Chega, que propõe que os dados sejam conservados "em território na União Europeia".

O partido propõe também retirar da lei a possibilidade de guardar "dados necessários para identificar a localização do equipamento de comunicação móvel", que não poderão "ser conservados de forma generalizada, mas somente após despacho fundamentado de juiz, relativo a pessoa concreta e com efeitos para o futuro".

E propõe acrescentar que os metadados das comunicações devem ser destruídos "imediatamente" quando tal "seja determinado por ordem do juiz".

No que toca à transmissão dos dados, o grupo parlamentar do Chega quer que só possa "ser autorizada por despacho fundamentado do juiz de instrução, onde este admite a transmissão apenas na medida do estritamente necessário para as finalidades que visa alcançar".

E acrescentar na lei que "as autoridades competentes devem informar imediatamente os titulares dos dados a que tenham acedido, a partir do momento em que essa comunicação não seja suscetível de comprometer as investigações levadas a cabo por essas autoridades".

No artigo 3.º, sobre a finalidade do tratamento destes dados, o Chega propõe acrescentar que o titular não pode opor-se à respetiva conservação e transmissão "desde que esta ocorra no estrito cumprimento da lei".

Na exposição de motivos do projeto de lei, os deputados do Chega salientam "a necessidade de acautelar o direito à segurança com o direito à reserva da intimidade da vida privada e sigilo das comunicações" e defendem que "devem ser mais restritas tanto as condições de conservação como de acesso".

Na semana passada, o presidente do Chega, André Ventura, anunciou que o partido iria dar entrada de um diploma para consagrar um "prazo mínimo de salvaguarda" de seis meses dos metadados das comunicações e a criação de uma entidade responsável pela gestão.

Na sequência de um pedido de fiscalização sucessiva da Provedora de Justiça, o TC declarou inconstitucionais normas da chamada lei dos metadados que determinam que os fornecedores de serviços telefónicos e de internet devem conservar os dados relativos às comunicações dos clientes - entre os quais origem, destino, data e hora, tipo de equipamento e localização - pelo período de um ano, para eventual utilização em investigação criminal.

Um dos argumentos dos juízes do Palácio Ratton é que guardar os dados de tráfego e localização de todas as pessoas, de forma generalizada, "restringe de modo desproporcionado os direitos à reserva da intimidade da vida privada e à autodeterminação informativa".

Após o chumbo deste diploma o PSD entregou um projeto de lei que encurta os prazos de conservação de dados e aumenta as salvaguardas, e o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo apresentaria ao parlamento uma proposta, "desejavelmente em junho", após terminar o debate orçamental. .

A Assembleia da República vai debater este assunto no dia 03 de junho, na sequência de um agendamento potestativo do PSD.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+