Tempo
|
A+ / A-

Marcelo defende melhores condições de carreira e equipamentos para Forças Armadas

27 abr, 2022 - 22:43 • Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa defende que o que está em causa "é mais complicado" do que aumentar o orçamento da Defesa. "É preciso entrar na sociedade portuguesa, e entrar num momento em que as pessoas estão sensíveis", sobretudo no quadro da guerra na Ucrânia que, segundo o Chefe do Estado, vai trazer mudanças profundas em toda a Europa.

A+ / A-

O Presidente da República pede "condições apelativas" de carreira para as Forças Armadas e "equipamentos compatíveis a prazo com as missões" que assumem, alertando que "um dia não dá para fazer omeletes sem ovos".

Em declarações aos jornalistas, esta quarta-feira, no Palácio de Belém, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa explicou que ao abordar este tema no 25 de Abril quis procurar apoio popular para maior investimento nas Forças Armadas, num momento em que os efeitos da guerra na Ucrânia se sentem também em Portugal. "É uma mudança que faz com que as pessoas estejam hoje mais sensíveis, por isso este discurso tinha de ser agora", considerou.

Questionado sobre o compromisso assumido por Portugal no quadro da NATO de aumentar progressivamente os gastos com Defesa até 2% do Produto Interno Bruto (PIB), o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas relativizou esse objetivo: "Eu a mim não me interessa tanto essa coisa do jogo dos 2%".

"O que interessa é o seguinte: há motivação em relação a quem quer ser militar para ser militar, há ou não há, e para continuar militar, há ou não? Se não, os 2% não significam nada, porque não há pessoas. Quer dizer, temos equipamentos ótimos sem pessoas", argumentou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, o que está em causa "é mais complicado" do que aumentar o orçamento da Defesa, "é preciso entrar na sociedade portuguesa, e entrar num momento em que as pessoas estão sensíveis".

"Aquilo que dá mais notícia em termos mediáticos é 2% do orçamento e acordo entre partidos. A mim o que interessa verdadeiramente é os portugueses aderirem à ideia. Porque, se não aderirem, os partidos assim como hoje dizem uma coisa, amanhã se perceberem que os portugueses querem outra coisa os partidos deixam cair. Em quantas campanhas eleitorais se falou de Defesa? Muito raramente. Porquê? Porque os portugueses não achavam fundamental", reforçou.

O Presidente da República disse que tem "acompanhado qual é o estado de espírito das Forças Armadas" e reiterou que "estão a fazer milagres".

"É preciso aprontar rapidamente um meio preciso para a NATO? Fazem isso e conseguem fazer o milagre. Não dá para fazer milagres sistemáticos, que é fazer omeletes sem ovos. Neste momento, estamos a fazer omeletes com poucos ovos. Um dia não dá para fazer omeletes sem ovos", alertou.

"Os portugueses têm de perceber isso", insistiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo
    28 abr, 2022 Eu 09:30
    De acordo. Mas para haver pessoas, ou há condições tanto financeiras como de carreira, ou há SMO. Como este último parece fora de causa, tem de se dar atenção ao primeiro. Sobretudo não se deve passar a ideia de conluios, conchavos, promoções só para oficiais, barriguismos e etc. Tem de haver um plano concreto e diferente da actual LPM que foi aprovada para outro cenário que não o de uma guerra às portas.

Destaques V+