Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Aplausos no Parlamento assinalam fim do uso da máscara

22 abr, 2022 - 10:49 • Manuela Pires , Olímpia Mairos

A partir desta sexta-feira deixa de ser obrigatório o uso de máscara em espaços fechados. Há, no entanto, algumas exceções.

A+ / A-

Quando se sentaram no plenário alguns deputados ainda tinham a máscara colocada, mas o presidente da Assembleia da República abriu os trabalhos dando conta que, tal como noutros espaços fechados, também no Parlamento acaba a obrigatoriedade do uso da máscara.

“Visto que, entretanto, foi revogada a norma que declarava a obrigatoriedade do uso da máscara nos espaços interiores, o uso da máscara deixa de ser também obrigatório neste plenário, assim como nos demais espaços da Assembleia da República”, lembrou Augusto Santos Silva.

E depois dos aplausos, a maioria dos deputados tirou a máscara na sala das sessões.

A partir desta sexta-feira, deixa de ser obrigatório o uso de máscara facial em espaços fechados, mas há exceções à medida saída do Conselho de Ministros de quinta-feira.

O Governo anunciou que deixa de ser obrigatório o uso de máscaras nas escolas e em espaços fechados, exceto em locais com "pessoas especialmente vulneráveis" e nos transportes públicos, incluindo táxis e similares.

As farmácias também fazem parte dos “estabelecimentos e serviços de saúde” em que o uso de máscara continua a ser obrigatório.

Marta Temido recordou, na quinta-feira, que a pandemia "não acabou" e admitiu que, sazonalmente, podem vir a ser tomadas novas medidas.

Noutra medida anunciada na quinta-feira, a apresentação do certificado digital Covid-19 ou um teste à covid-19 negativo vai deixar de ser necessário para entrar em lares e para visitar doentes nos hospitais.

As autoridades de saúde estão também a preparar a administração de uma nova dose de reforço da vacina contra a covid-19 antes do período de outono e inverno, segundo Marta Temido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+