Tempo
|
A+ / A-

Pedido foi feito por mais de 100 militantes, Mesa Nacional chumbou.

Bloco de Esquerda rejeita antecipar eleições internas

24 mar, 2022 - 10:36 • Lusa e Redação

Grupo de militantes pediu para antecipar a Convenção Nacional. Proposta foi chumbada pela Comissão Política. Só uma pessoa votou a favor.

A+ / A-

Mais de 100 aderentes do Bloco de Esquerda pediram à Comissão Política a convocação da XIII Convenção Nacional até junho, antecipando assim um ano a reunião magna bloquista, para discutir a situação atual do Bloco para os próximos dois anos, e eventualmente realizar eleições internas. No entanto, essa proposta foi chumbada esta quarta-feira à noite, pela Comissão Política do partido.

Entre os cerca de 130 militantes bloquistas que assinaram este "apelo à convocação de uma Convenção Nacional", ao qual à agência Lusa teve acesso, estão nomes como o histórico Mário Tomé, os ex-deputados Pedro Soares e Carlos Matias, bem como a antiga presidente da Câmara de Salvaterra de Magos, Ana Cristina Ribeiro.

O objetivo desta antecipação era "definir democraticamente a orientação política do Bloco para os próximos dois anos", depois do "ciclo de perdas eleitorais do Bloco de Esquerda, que culminou com a derrota eleitoral das recentes eleições legislativas".

A notícia surge hoje, mas fonte do Bloco de Esquerda já veio explicar que a proposta foi recusada ontem à noite, pela Comissão Política do partido. Numa mensagem enviada às redações, o Bloco de Esquerda considera que "falta nesta proposta uma explicação da mudança de posição de quem a faz".

O Bloco justifica que, em fevereiro, na reunião da Mesa Nacional, as pessoas que pedem agora a antecipação da Convenção, não o fizeram nessa reunião. O partido insiste que o momento para refletir a estratégia do Bloco de Esquerda é na Conferência Nacional que está agendada para o final do mês de abril.

Na mensagem, o Bloco de Esquerda defende que antecipar a Convenção iria prejudicar "os prazos regulamentares do debate interno" e seria "um grande favor ao governo do PS" de maioria absoluta, já que iria interferir com os primeiros meses da legislatura que se aproxima.

"O objetivo desta proposta é paralisar o Bloco num processo de substituição de direção", atira o Bloco de Esquerda nesta mensagem. O partido acusa os opositores internos de quererem "trazer ao Bloco uma cultura política que nunca foi a nossa: a avaliação de orientações e dirigentes pela bitola eleitoral".

A proposta é assim recusada. Quanto às reflexões sobre o rumo político e sobre os resultados eleitorais, o Bloco de Esquerda defende que devem ser feitas na próxima Conferência Nacional, no dia 30 de abril.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Mal
    24 mar, 2022 Dizente 18:36
    Os derrotados saírem de cena? O tacho é tão bom, sabe tão bem. Já pensaram em convidar a Joacyne? Deve ser baratucha, agora que perdeu o tacho

Destaques V+